sexta-feira, 21 de março de 2008

AMOR DE OUTONO


AMOR DE OUTONO



MEU CORAÇÃO DE PRIMAVERAS TE AGUARDAVA

ROGAVA AO VENTO TER DE VOLTA QUEM AMAVA

MAS DE TI PERDI A ROSA, O BOTÃO E O SEU ENCANTO

DO BEM-ME-QUER AS SUAS PÉTALAS EM PRANTO


SEGUI NO AZUL A BORBOLETA EM SENTINELA

NA BUSCA INSANA PELA ROSA AMARELA

NUM DESFOLHAR DA NATUREZA EU AGONIA

EM VEZ DE SONHO FIZ DA INSÔNIA POESIA


MAS POR PAIXÃO EM DESVENTURA SIGO EM FRENTE

PEÇO AO VENTO TE ENCONTRAR URGENTEMENTE

ATRÁS DA FLOR EU ME PERDI NUM LABIRINTO

EMBRIAGADO PELAS FOLHAS DO ABSINTO


SEM MINHA ROSA AINDA ME LEMBRO DO JARDIM

DAS MARGARIDAS, VIOLETAS E O JASMIM

NEM SEI SE É BRANCA OU AMARELA ESTA SAUDADE

SÓ SEI QUE A DOR QUE É INCOLOR MEU PEITO INVADE


PRA NÃO SOFRER O MEU OLHAR JAMAIS TE ALCANÇA

POR TÃO DISTANTE ENTREGO O SONHO A ESPERANÇA

MAS POR AMOR AINDA SOU EU QUEM MAIS TE ESPERA

QUEM SABE UM DIA SER DA FLOR A PRIMAVERA

7 comentários:

  1. Ler o seu "Amor de Outono", assim, no finzinho da tarde de um domingo de páscoa, me faz voar entre as estações e me deixo levar pela nostalgia quando vejo que "PRA NÃO SOFRER O MEU OLHAR JAMAIS TE ALCANÇA". Amo os seus versos
    Um abraço
    Jacinta

    ResponderExcluir
  2. Vim ver o que havia nas sombras do pé de verso e encontrei essa beleza. Parece que a inspiração voltou de vez. Legal

    ResponderExcluir
  3. desculpe a demora de vir aqui...
    espero poder voltar mais vezes...
    TORÇO POR VC MANO
    BJ

    ResponderExcluir
  4. Da insônia, um sonho de versos que parecem fluir devagarinho... com emoção. Que lindo, Elcio! Boa noite! :-) Beijos.

    ResponderExcluir
  5. "Nem sei se é branca ou amarela esta saudade"...há algo de belo e de inconformado no seu "Amor de Outono", querido poeta. Amei relê-lo. Grande abraço,Elcio!

    ResponderExcluir
  6. Isso aí, "quem sabe um dia"!

    É de amor e esperança que se vive a vida!

    Também estou trilhando este caminho. Meu blog é:
    http://psixani.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Semeando