sábado, 29 de março de 2008

NA DISTANTE E DENSA LUZ DA ASTROGENIA


Alguém se habilita? Olha aí pessoal, prêmios de R$3.000,oo, R$2.000,00 e R$1.000.00. Recebi este recado e achei legal passar para quem quiser participar. Um abraço e boa sorte...6º CONCURSO LITERÁRIO GUEMANISSE DE CONTOS E POESIAS / 2008www.guemanisse.com.breditora@guemanisse.com.br


Este escrito vive em processo de transformação...estranho, mas estou sempre mexendo nele...mudo palavras, acrescento, retiro, volto com algumas...sei lá...





Na distante e densa luz da astrogenia


Abriguei na vasta imensidão da alma
Um sem fim de luz que ainda sorria

Guardei nos arredores meus desejos
E dentro deles o meu sol de nostalgia

Reguei a flor de lis que então se foi
Levando a chuva e com ela minha quimera

Roguei aos céus por flores descabidas
Ao sentir nascer o fim da primavera

Naveguei meu barco na tua ciranda
E no mar deixei a sós minha saudade

Naufraguei nas ondas sob teus afetos
Num maremoto feito de cumplicidade

Mas, o sonho então se foi na despedida
Ao seguir os ventos vindos do outono

Então do céu o azul se foi pra sempre
Forjando um triste rastro de abandono

Como saber se esta luz ainda brilha
Se o destino é feito às vezes de ironia

Como saber se este azul ainda trilha
Na distante e densa luz da astrogenia

4 comentários:

  1. Bom dia, Elcio!:-) Eu tenho preguiça de ler poemas grandes, especialmente na tela do computador..e talvez por isso tenha "adotado" os mais curtos!rs... Mas a verdade é que sinto mais prazer com poucas palavras, e me perco facilmente se me alongo. Adorei os seus versos! Um bom domingo, meu querido!

    ResponderExcluir
  2. Caro Elcio!
    Suas palavras...Tão profundas!
    Me fizeram viajar num mundo distante!
    Belo Dom vc possui!
    Vim apenas colher um fruto desse verseiro e saío daqui com a cesta repleta de frutos doces!
    Obrigada por partilhar algo tão belo!

    ResponderExcluir
  3. Mudar algumas palavras do poema pode ser, também, sinal de mudanças interiores. Sei lá...
    No final,mesmo sem entender, a gente sempre busca a luz.
    Um abraço
    Jacinta

    ResponderExcluir

Semeando