quarta-feira, 23 de abril de 2008

EU, VENTO


EU, VENTO


QUERIA SER VENTO

PRA PODER SAIR POR AÍ

COLHENDO PRIMAVERAS

E O MURMURAR VINDO DAS FOLHAS

PRA DESCOBRIR EM MIM CALMARIAS E VENDAVAIS

FEITAS DE SAUDADE E NOSTALGIA

COMO AS CHUVAS QUENTES DE VERÃO

AÍ ENTÃO SER ESTIAGEM

PRA RENASCER DEPOIS NAS TEMPESTADES.

10 comentários:

  1. Elcio!

    Ser vento, colher primaveras e depois... renascer. Muito lindo!

    Poeta, seu vento lá em meu blog trouxe imensa alegria. Deixei uma mensagem no baú para todos que comentaram. Assim, também para você.

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. De primaveras a tempestades, é o que costuma ocorrer.

    Muito profundo teu blog.

    ResponderExcluir
  3. E, em sendo EU Vento, Elciooooo, som, sopro de palavras, de vida, de dança no tempo. Os seus Eus são infinitamente muito bonitos.
    Um abraço
    Jacinta

    ResponderExcluir
  4. EU SÓ PODERIA SER VENTO DESENHADO..
    UM VENTO QUE BALANÇA SOLTO E LEVE...
    PRA LÁ E PRA CÁ, ANIMADO...

    SEUS POEMAS E SUAS POESIAS MERECEM MUITO MAIS QUE UM LIVRO..

    BEIJÃO MANO

    ResponderExcluir
  5. Belos versos, livres como o vento.
    Gosto desse blog, raiz de versos!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Só de colher primaveras, esse vento já é a própria maravilha da liberdade! Outro bravo por esse ótimo poema, Elcio! Boa tarde, poeta! Uma ótima semana! Beijocas.

    ResponderExcluir
  7. Poeta, que linda criação!
    Estar aqui é ter contato com algo mágico e divino.
    Vc nos encanta com suas palavras.
    Um dom especial!
    Um beijo com carinho

    ResponderExcluir
  8. "renascer nas tempestades' é bonito, mas, ai, como é difícil.

    ResponderExcluir
  9. Esse é um belo poema! Lê-lo foi um doce prazer...Beijos e muita luz!

    ResponderExcluir

Semeando