sexta-feira, 16 de maio de 2008

ÁGUAS DE MAIO




Águas de maio

O verbo transbordar
Transbordou na poesia
Inundou tantas palavras
Afogou meus sentimentos

E eu tão só na correnteza
Sigo as águas em silêncio
Sou enchente da minh’alma
Chuva intensa e ventania

9 comentários:

  1. Boa tarde, poeta. Me fez lembrar de "Metades" do Oswaldo Montenegro. Seus poemas são de uma intensidade que inunda a alma da gente. Lindo! Volto hoje ainda para ler o outro. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. E quando se é enchente, se transborda, também, em palavras. Caramba! eu fico aqui só no olhar, admirando esse seu jeito de se mostrar os diversos jeitos de ser Eu.
    E é cada um mais bonito que o outro.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. por ser enchente vc transborda poesia pelos poros, vc me encanta com seus versos. abçs.

    ResponderExcluir
  4. Ämigo!

    Vim aqui continuar a conversa...Sim, gosto muito de Kleiton e Kledir. Amo POA, assim como o Brasil inteiro. Sou filha desta terra... mas optei em viver fora. Deixando-a, passei a amá-la intensamente. Sei que esta conversa já é um tanto desbotada e envelhecida, mas em meu coração sempre renovada.

    Obrigada por me visitar.

    bj

    ResponderExcluir
  5. ...muito lindo! Seus versos, derramam-se de maneira muito natural... Gostei!
    Beijos e uma semana iluminada...

    ResponderExcluir
  6. Grande amigo, Élcio!

    Poema de Pessoa é pra sempre e de sempre. E poesia é água boa de beber e transborda mesmo.

    Sempre por aqui, mestre.

    Abraços.

    Germano
    Aparece...

    ResponderExcluir
  7. Lindo e profundo!!!

    ResponderExcluir

Semeando