quinta-feira, 26 de junho de 2008

INFÂNCIA E FOME

Carica feita pelo mano Cacinho, visitem o seu blog.

http://animadodesenho.blogspot.com/


INFÂNCIA E FOME


SÃO TEMPOS DIFÍCEIS
MARCADOS PELA DESIGUALDADE
SÃO TRANSVERSAIS DA HISTÓRIA
SÃO OS VENTOS VINDOS DO NORTE
SÃO POBRES CRIANÇAS POBRES
PERDIDAS NO TEMPO E NO ESPAÇO
ABANDONADAS NO MEIO DO NADA
LANÇADAS A PRÓPRIA SORTE
TROCAM A INFÂNCIA PELA LABUTA
TEUS BRINQUEDOS SÃO AS ENXADAS
TÊM NAS ENTRANHAS SUOR E CARVÃO
E O MANGUE CRAVADO NAS UNHAS
SE ESBARRAM NOS SEMÁFOROS
SÃO FLANELINHAS DA ESQUINA E DO FRIO
SOLDADOS ITINERANTES NOS METRÔS
ARMADOS DE BALAS E SONHOS
MENINAS VIRGENS OU GRÁVIDAS
SOLÍCITAS AOS DESEJOS DA CARNE
DESFILAM DESAMPARADAS NA NOITE
COLHENDO SÊMEN EM SEUS VENTRES
É O RETRATO DE UM BRASIL URGENTE
DE UM GIGANTE IMPÁVIDO DESGOSTO
DOS FILHOS TEUS QUE NÃO FOGEM A LUTA
ESPERANDO DA PÁTRIA, UMA MÃE MAIS GENTIL

7 comentários:

  1. CARAMBA.. ARREBENTOU....
    MUITO BOM..
    AGORA OLHA SÓ TEM CONCURSO DE POESIA NO AR...
    Concurso Nacional de Poesia de Mogi das Cruzes
    http://www.pmmc.com.br/ccs/projetos/festivaisdecultura.html

    OLHA SÓ:
    as inscrições estão abertas até dia 02 de setembro de 2008
    Poderão participar poetas residentes em todo o território brasileiro.
    Cada poeta poderá concorrer com até 02 (duas) poesias de sua autoria.
    As poesias deverão ser originais e inéditas: não terem sido publicadas na integra ou em partes.
    A Coordenadoria de Cultura de Mogi das Cruzes comporá um júri técnico que selecionará:

    80 (oitenta) poesias que serão publicadas em uma antologia poética,editada pela Coordenadoria de Cultura de Mogi das Cruzes, com uma tiragem de 2000 exemplares.
    Como prêmio, cada autor publicado receberá uma cota de 20 (vinte) exemplares da Antologia a ser editado.

    O lançamento da Antologia Poética, será no dia 7 de dezembro de 2008, no hall do Theatro Vasques, às 17h.

    E AINDA TEM TROFEU PROS 3 PRIMEIROS COLOCADOS...
    PARTICIPA AÍ...

    BJS

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Elcio. É de dar nó na garganta, no peito, na esperança! Não é fácil para quem vê, que dirá para quem vive essa tortura na pele, na alma, na vida! É um poema belíssimo, tanto quanto dorido e real:-(
    Abraços, amigo.

    ResponderExcluir
  3. Ao término da leitura ficou um nó na garganta, um grito querendo sair, e ficou um tristeza profunda por nossa( todos os brasileiros) indolência... o que dizer mais, que eu, como nordestino, passei por esta fome tb. Abçs. Lembrar do verso "voltar donde vinha?"

    ResponderExcluir
  4. Os versos são bonitos...Imersos numa tristeza de fazer dó!
    Beijos de luz e muita alegria no seu coração...

    ResponderExcluir
  5. Tema difícil esse. Dói na alma saber que, em pleno século 21, existe essa realidade que nos envergonha. Belos, tristes e belos seus versos, que com maestria, desnudam a incompetência da Pátria no cuidado com os seus pequenos. Muito bom
    Um abraço

    ResponderExcluir

Semeando