domingo, 7 de setembro de 2008

DISTANTE


DISTANTE


SERÁ DISTANTE A PRIMAVERA
DA CASTA FLOR SEM O JARDIM
DO SIM QUERENDO DIZER NÃO
DO NÃO FILOSOFANDO O SIM


ENTÃO TALVEZ BROTE A LUZ
DA ALMA O BRILHO E O PERDÃO
TALVEZ DO CÉU A REDENÇÃO
TALVEZ DO AZUL PRA SEMPRE O MAR


SERÁ DISTANTE O AMANHECER
DA MADRUGADA SEM O SOL
DO NÃO TORCENDO PELO SIM
DO SIM FLERTANDO COM O NÃO


TALVEZ ENTÃO SEJA MISTÉRIO
SE O TEU ADEUS É RECOMEÇO
TALVEZ AVESSO AO NOSSO FIM
TALVEZ NEM SEJA O AFINAL


SERÁ DISTANTE A POESIA
DOS VERSOS QUE NUNCA ESCREVI
DO NÃO CLAMANDO PELO SIM
DO SIM DIZENDO NUNCA É NÃO


SERÁ DISTANTE ENTÃO O AMOR
DAS PALAVRAS QUE NÃO OUSEI
DO NÃO QUERENDO SER O SIM
DO SIM PEDINDO NUNCA O FIM

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Os poetas com suas andanças pela linguagem sempre propoem uma nova realidade "do não querendo ser o sim, do sim pedindo nunca o fim."

    ResponderExcluir
  3. para o poeta nunca haverá não pq nada dista qdo ele tem na veia a poesia, e vc a tem em corpo e alma. abçs.

    ResponderExcluir
  4. Deixa o sim. achar que nunca é não.
    deixa a madrugada. sem sol. deixa o amor calejar. e não deixe de sonhar. com ela. com a volta. com o afinal que não existe. com o final tão triste. seu e dela. e deixa. pra lá. pra cá. a p´rimavera chega. mesmo pra flor que não tem jardim. porque as coisas são assim.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. ...quem sabe faz!
    Um poema especialmente bonito...


    Beijos de luz e o meu carinho!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá! Realmente o sim e o não nada mais são que antagônicos da essência mesma.

    Agradeço a visita.

    Abraço

    JH.

    ResponderExcluir

Semeando