quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Congênita Ternura


Congênita ternura

Não era bem isso e nem aquilo
mas, as palavras não me obedeceram
tomaram vida própria
e ocuparam o ponto mais alto do infinito
até que distraídas, sussurraram baixinho
um sem fim de analogias sobre os sentimentos
sorriram diante as vestes despojadas do não contentamento
e suicidas, jogaram-se de braços abertos,
de olhos bem fechados e ainda por cima vendados
no ventre das mãos de um azul já quase poente
mas era um azul tão azul, que azulava os sonhos
coloria os dias e alegrava as noites mais frias
alterava até mesmo o silêncio das estrelas
sendo assim, fez eclodir encantos, sorrisos, anseios, desejos e depois algumas incertezas
que atadas a conjecturas infundadas
foram pouco a pouco se debatendo nos rios da minh’alma
hoje relutam, querendo sobreviver emaranhadas sob as margens
porém, a dor, ainda insiste em transbordar dentro do peito
levando aos poucos a cor que ainda habita em mim
imprescindível agora é entender e aceitar as cores da verdade
acolhendo de bom grado os tons que por enquanto não se foram
afinal, a ternura não nasceu do acaso
era e é, ainda hoje, uma congênita ternura.

23 comentários:

  1. Lindo poema. Gosto de poemas assim, sem rimas, que andam na música suficiente, bastante das próprias palavras. Tão azul seu poema que azulará também meus olhos castanhos com a ternura transmissível.

    ResponderExcluir
  2. Nos rios de minh'alma hoje relutam... Isso é vida! Lindo poema!

    ResponderExcluir
  3. Este seu poema comcerteza azulará meu dia e meu fim de semana meu querido!
    Que poema gostoso de se ler...adorei!
    Um grande beijo e uma Sexta azul pra ti.
    Serena.

    ResponderExcluir
  4. Que as palavras continuem a desobedecê-lo assim tão lindamente e que o azul continue imensamente azul em todos seus meandros..

    (obrigada pela visita. Ainda bem que existem cães e gatos com suas características únicas atendendo a todos os gostos)

    ResponderExcluir
  5. "...no ventre das mãos de um azul já quase poente
    mas era um azul tão azul, que azulava os sonhos
    coloria os dias e alegrava as noites mais frias
    alterava até mesmo o silêncio das estrelas
    sendo assim, fez eclodir encantos, sorrisos, anseios, desejos"

    Amo Azul em todos os tons!

    Profundas palavras!

    Bons estudos e provas!

    ResponderExcluir
  6. Oi Elcio, tudo bem contigo?
    Obrigada pelo Feliz Aniversário, e que bom que tu gosta de filmes, eu particularmente amo assim como a Luciana é claro que temos alguns gostos diferentes, mas isso faz parte de quem gosta de filmes!


    Um abraço e apareça sempre que puder!

    ResponderExcluir
  7. Oi Elcio!

    Muito obrigada pelo comentário e a minha irmã falou que tu comentou no blog dela fico muito feliz mesmo por isso, ela é uma excelente irmã muito amiga mesmo e quanto ao Feitiço de Áquila, acho muito difícil tu não gostar é um filme que não tem uma superprodução, mas que tem uma história bela e emocionante e principalmente não é um filme cansativo.

    Abraços, amigo e um ótimo sábado.

    ResponderExcluir
  8. Se existe emoção....que importa as palavras....
    Basta sentir e através dos olhos expressar, toda a ternura que com certeza falará....!!!
    Gostei daqui...
    Voltarei...
    Bjs.Dina

    ResponderExcluir
  9. Elcio!
    Voltei para dizer que o poema "Discutindo com a natureza".....adorei!!!!!!
    + beijos....

    ResponderExcluir
  10. Oi.
    A ternura
    vive dentro de quem a cultiva
    a trata
    e tenta andar sempre com ela
    presa ao peito
    qual botão de rosa prestes a florir
    A ternura vive juntinha ao amor
    e os dois juntos
    conseguem afastar a dor !

    Grande abraço ao Poeta tão acanhado.. Você é poeta, você fala sobre a dor e o amor e que é isso senão poesia? senão amor!
    Laura..

    ResponderExcluir
  11. Sempre que a ternura estiver presente, haverá um sorriso nos lábios da vida...


    Mágicas palavras, querido poeta!


    Beijos de luz e um final de semana especialmente feliz!!!

    ResponderExcluir
  12. UM BOM E GDE POETA SE DEIXA LEVAR PELAS PALAVRAS, ASSIM É VC. ABÇS.

    ResponderExcluir
  13. E enquanto a ternura jorrar, haverá esperança no dia seguinte.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  14. Lindas as palavras, o sentimento...que seja sempre azul o teu sonho!
    Beijos com ternura.

    ResponderExcluir
  15. Menino, esse texto vai ficar me azulando por um bom tempo!:-) Que maravilha, Elcio. Bom domingo, boa semana. Beijocas.

    ResponderExcluir
  16. ...não há como roubar a ternura
    de uma alma que vê o mundo multicor!

    lindíssimo poema!

    bj, poeta!

    ResponderExcluir
  17. Oi Elcio!

    Apareça sempre, as portas estão sempre abertas.

    A poesia retratando a trajetória e a dinâmica da existência. Assim vejo Congênita ternura.

    Muita coisa boa para se ver com calma, por aqui. Volto devagar e sempre.

    Um abraço e sucesso com o livro!!!

    ResponderExcluir
  18. Então, meu caro Élcio, a palavra está feliz, porque está livre, porque está acontecendo da melhor maneira possível. A palavra que desobedece e que livra almas presas e engaioladas...


    Um abraço forte.
    Continuemos...

    ResponderExcluir
  19. Belo como um broto de rosa... Gostei muito!

    ResponderExcluir
  20. Lendo seu comentário me peguei balançando a cabeça numa concordância muda. Concordo plenamente com vc, pensar é o que nos define mesmo, o que nos faz ser grandiosos em certos momentos e ínfimas criaturas em outros. Mas, quer saber? Compartilho essa afeição por bichos, especialmente o bicho-homem (só não gosto de arroz com banana... fico só com o ovo, tá? rs).

    Quanto ao seu blog, fiquei meio sem palavras, vou ter que ler mais pra definir o que achei. Aliás, bobagem essa necessidade de definição (lembrei do vídeo agora). Gostei e pronto. Sem um motivo específico, por um todo que me fez ter vontade de ler mais.

    Especialmente a conversa com a natureza. A delicadeza do texto, a força de algumas palavras, a sutileza das reflexões, acima de tudo o tom. A conclusão de que as adversidades podem servir de base pro novo, um novo mais esperançoso, mais feliz, é batida, mas talvez seja a grande chave pra uma nova forma de ancarar e de sobreviver a momentos ruins.

    Enfim, passei pra agradecer a visita e tive uma grata surpresa. Bjin !!!

    ResponderExcluir
  21. Oi Elcio!
    Ando numa louca correria
    por causa da faculdade,
    e numa correria louca
    por causa da vida no final do ano, deu pra entender não é?rsrs
    Mas...cá estou para apreciar suas escritas, fui lá no inicio para conhecer suas outras poesias.

    Que a ternura esteja sempre presente em seu viver!

    Como dizia o Che Guevara: "Sem perder a ternura jamais".


    Beijim

    ResponderExcluir

Semeando