segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009



Fala pessoal, poema sobre imagem, parceria com o mano Cacinho...enrolado para comentar, trabalho e facul tomando todo meu tempo, mas uma hora apareço...um abração na alma de todos...boa semana...Valeu Cacinhoooo...bjo na alma e no coração...

http://animadodesenho.blogspot.com

Tempo e espaço

Na solidão entre tempo e espaço
Apenas vislumbro o azul no horizonte
E tento chegar, lá onde se assemelham o céu e o mar
Velas içadas, sobrepostas, velam veladas
Os poemas que em mim ainda navegam
Brisas, ventanias, sonhos e tempestades
Ainda permanecem nuvens em nossas almas
Diante a não solução inalterada
Portanto, poetando, somos sugados em movediças
Em meio a marés tão distantes
Em meio a correntes tão inconstantes
Dê-me suas mãos, seus olhos
Teus cabelos, tua vida
Dê-me teu sorriso
Teu carinho, teu abraço
Dê-me suas entranhas
Tua pele, teus contornos
Pra que eu te possa por inteiro
Ter pra sempre
Liberdade...

Cacinho
Elcio Tuiribepi

15 comentários:

  1. Velas içadas que velam ... E o marujo singra o mar...

    Mar de náufragos, piratas, das correntes torrentes e das garrafas com mensagens perdidas.

    Como sempre cada palavra tem um som e uma imagem.

    Abraços,

    Mai

    ResponderExcluir
  2. Perfeito!!!

    Tenha uma ótima semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Se fazer poemas é diversão, brincadeira, em parceria se torna ainda mais jogo, prazer...

    Ps. Bem, depente também da parceria.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. "E tento chegar, lá onde se assemelham o céu e o mar" - vi um foto legal aqui.

    Um mar de emoção faz o poeta poetar.

    Bonita essa forma de ver a liberdade.

    abraços, bom dia!

    ResponderExcluir
  5. eita que o moço tá inspirado..
    assim vou te mandar mais desenhos velhos e velhos desenhos que tenho guardado não só na minha mente mas também no hd do computador...

    ResponderExcluir
  6. Pode mandar Cacinho...a próxima a gente confecciona juntos...que tal?
    To te esperando ok...valeuuu...bjo

    ResponderExcluir
  7. Seria um belíssimo poema para a Tertúlia deste mês meu lindo!
    Belíssimo poema e a imagem da ampulheta está perfeita!
    Um beijo e outro abraço na alma meu querido!

    ResponderExcluir
  8. "Portanto, poetando, somos sugados em movediças
    Em meio a marés tão distantes
    Em meio a correntes tão inconstantes..."

    Elcio, o poeta é, antes de tudo, um apaixonado... Sempre sofrendo com perda de uma amor, ou um amor impossível...rs
    E são essas intemperies que fazem brotar os mais lindos poemas... Assim como esse...
    Lindo!

    Um beijo avassalador!

    ResponderExcluir
  9. Só a liberdade é capaz de manter um amor para sempre.
    beijos
    .............cris Animal

    ResponderExcluir
  10. "Dê-me suas entranhas
    Tua pele, teus contornos
    Pra que eu te possa por inteiro
    Ter pra sempre
    Liberdade..."

    Fechou o poema de forma magnificamente bela.

    Elcio... "todo artista tem de ir aonde o povo está."
    Nunca silêncie a sua poesia!

    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  11. olá, Élcio, boa tarde.
    Não seis evc já viu o blog da CBJE.
    Se ainda não segue o link
    http://cbje-lancamentos.blogspot.com/
    Abçs.

    ResponderExcluir
  12. Uma bela descrição do que é o tempo, o espaço, uma bela imagem, do que é liberdade, do que é poesia...

    Abraço Verseiro Elcio!

    ResponderExcluir

Semeando