sábado, 28 de fevereiro de 2009

A sóbria embriaguez das reticências



A sóbria embriaguez das reticências

Venho matando a minha sede
Nessa brisa que me passa
Embriago-me com seus agora raros afagos
E faço dela intensa ventania
Seja ímpeto ou infinidade
Prefiro conceber de mim o inevitável
O que me transcende transgredindo
Espontaneamente dentro da alma
Já que transbordante de sentidos
Escolho a sóbria embriaguez mais aflorada
Ao equilíbrio tão ausente do acaso
Portanto, necessário se faz germinar
A essência da boa palavra
Para que ela não morra de quietude
No silêncio do poema enclausurado
Pois quero devorar a palavra “eco”
Para que ele se repita dentro de mim
Reverberando alumbramentos
Não que seja todo ele, ainda mistério
Posto que em mim coabitam
Suas texturas e entrelinhas
No entanto, falta-me
A permanência de suas gramaturas
Onde ternura e carinho
Ficaram para sempre
Nas reticências que em mim
Ainda sobrevivem
É que minha alma
É assim...

26 comentários:

  1. Fiquei enebriada!
    Beijos Tempestuosos!

    ResponderExcluir
  2. Leio e releio me embriagando em cada frase. Tem frases suas que descem inteiras, rasgando feito espinha de peixe na garganta.

    Ao ler um poema tem frases que falam mais comigo, nos seus as vezes não dá para grifá-las, são várias que dizem muito. O todo é maravilhoso.

    Achei o título fantástico.

    Um vez tentei escrever algo sobre as reticências...pois elas me dão vontade de continuar, e na incompletude da idéia do outro, ia me encontrando, me completando.


    abraços na alma. E que alma. rsrsr

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. ...graças à Deus,
    na alma de um poeta,
    não cabem reticências.

    sempre encantada,
    deixo bjusss

    ResponderExcluir
  5. Boa poesia, com uma grande idéia trabalhada com talento. De fato, essa árvore dá frutos.

    ResponderExcluir
  6. Embriagado eu estou, degustei um um Trapiche Argentino, é o melhor que o meu dinheiriho pode comprar uma vez ou outra e foi hoje. Sinto o amigo triste, ou é impresão minha? Gostei muito do poema amigo. Abrasço

    ResponderExcluir
  7. Reticências...
    Diz tudo. Até mais.
    Calo-me, juro. Ñão sei o que comentar. Estou emocionada , Verseiro.
    Um abraço grande.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Élcio, amigo. Nossa, gostei daqui, gostei desses versos caminhando livres como um vento leve, que nós trás a tranquilidade que nos leva a algum lugar onde mora nossa certeza.

    Obrigado pela visita, desculpe estar passando só agora. É falta de tempo, esse tempo lento que nos consome.

    Abraços, amigo.

    ResponderExcluir
  9. Sou regada de reticências, talvez esperando que logo no fim delas aja algo que defina ou que dê continuidade as minhas palavras...

    Me enebriei com tanta beleza neste seu poema,lindo Elcio, como tudo que já li aqui...

    Bjos pra ti, ótima semana!!;)

    ResponderExcluir
  10. Amigo,

    por vezes chegam ventos e brisase nos pegam decontra-pé e ai dá-se a dor e a tristeza, as reticências chegam e nós passamos a ser
    Eu-reticentes...

    Embriaguez de versos ou embriagues etilica, serve um pouco nessas horas em que há mais reticências do que o EU suportaria ou poderia supor...

    Sem palavras que bastem ao elogio que tu e teu verso e teu péde erso merecem, muito,muito bom.

    Carinho, sempre,

    Mai

    ResponderExcluir
  11. Eis a magia plena:

    ver no ínfimo o magistral.

    Abraço forte, Elcio.
    Continuemos...

    ResponderExcluir
  12. Diziz um Amigo meu que quando escrevemos e não entemos nossas palavras quer dizer então que estamos no camino certo, pois não seria de nada util escrevermos o que somente entendemos, o que as palavras sabe descrever, o bom é destrinchar a alma, tirar do fundo de si os pensamentos, as emoçoes, aquilo tudo que não dá para colocar nas palvras, ou talvez os olhos de muitos ainda não consegue enchergar!!!

    Tambem sou assim, muitas vezes me enveredo por caminhos que não conheço, deixo minhas pernas me levarem por estas estradas desconhecida ainda por mim, mesmo não sabendo onde vou chegar, mais sem medo, apenas atencioso, em outras minha ingenuidade somada com meu vicio de conhecimento me deixa escorrer palavras que quero que cheguem a todos, a aqueles que acham que a embriagues da escrita é só para alguns....

    Espero que um dia vc possa visitar meu blog!!!

    Ademerson Novais de Andrade

    ResponderExcluir
  13. Olá! Cheguei aqui através da Blogagem Coletiva, pois você deixou um comentário no blog da Ester e fiquei curiosa pelo título "Verseiro". Adorei o que encontrei! Um espaço aconchegante, inteligente, convidativo... Virei sempre aqui. Se permitires, gostaria de linkar o seu blog no meu.
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. A reticência é sempre uma esperança de que não há fim. Élcio no seu comentário no meu blog vc me chama de Éder, não sei o motivo. Conheci o teu blog através do link que há no Gotas do Éder, mas me intrigou qual o motivo que te levou a me nomear Éder, Carinhosamente Dinigro Rocha.

    ResponderExcluir
  15. Chegando em casa.....rs
    Revendo os amigos!
    O poder de dobrar, de aumentar, de resguardar e guardar. O poder de ser mnais, mesmo sendo ou tendo menos. O poder que o amor nos dá....reticências????????????
    LINDOOOOOOOOOOOOO. Muito.
    beijo
    ...........Cris Animal

    ResponderExcluir
  16. Boa noite, Elcio!

    Tem dias que o poema fica mesmo reticente... nas palavras, não na alma!

    Tem um selinho pro teu lindo Blog lá no Interlúdio! Passa lá prá pegar!

    Beijos e boa semana prá ti!

    ResponderExcluir
  17. Sua alma meu caro é bela e transpõe as regras viris da inocência... diz em alto som ou baixinho ao escrito o que todos precisamos ouvir.

    Abçs,








    Novo Dogma:
    maRcas...


    dogMas...
    dos atos, fatos e mitos...

    http://do-gmas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Élcio,
    Não encontro palavras que sejam capazes de traduzir o encantamento de seus versos.
    Foi um grande prazer conhecer seu blog e prometo permanecer... "Com as reticências e tudo."
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  19. Olha só...
    que maravilha Poeta!
    E não é que é verdade?
    Quanto mais lemos e escrevemos mais nossas palavras vão fluindo com facilidade e ganhando maior dimensão.

    Gostei muito do que li...

    Fica aqui registrada a minha admiração!

    Um beijo e meu carinho

    ResponderExcluir
  20. No entanto, falta-me
    A permanência de suas gramaturas
    Onde ternura e carinho
    Ficaram para sempre
    Nas reticências que em mim
    Ainda sobrevivem
    É que minha alma
    É assim...
    Lindo o seu poema, Élcio, sobretudo este trecho que destaquei. Engolir o eco para que a poesia reverbere dentro do ser. Lindíssimo.
    Vim fazer-lhe um convite, pois acabo de publicar a resenha de um filme no GALERIA, e gostaria que você apreciasse o meu post e deixasse a sua opinião. Mas é no GALERIA.
    Outra coisa, a Luciana não está postando estes dias porque o PC dela quebrou. ela mdou avisá-lo.
    Um beijo e o espero,
    Renata

    ResponderExcluir
  21. Caro Amigo Elcio,

    Venho agradecer a sua passagem pela minha casinha.

    É muito expressiva esta poesia que fez, pela qual lhe dou os meus parabéns.

    Um abraço

    Maria Carmo

    PS.:
    Já experimentou passar pelos blogues de minha filha e genro? Não?

    Então lhe deixo o endereço e verá que ao visitar qualquer uma das suas casas não se irá arrepender:

    http://flordojacaranda.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Deixo minha admiração a partir do título. Me fez imaginar mais um livro teu com essa designação.
    Fica aqui uma sugestão.

    Belíssimas linhas...

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  23. Alma não tem fim, Elcio. Foi o que senti ao ler seu poema.

    ResponderExcluir
  24. Tem frases que entendo..outras tenhu q voltar para procurar uma respostaa.....

    muito bom mesmo colocar o leitor a pensar,,,

    abraços

    ResponderExcluir
  25. Olá meu ilustre amigo.
    adorei o texto.
    Parabéns...
    Como sempre nos encantando com seus poemas.
    Uma semana de muita paz, amor e luz.
    Fique na paz.
    Beijinhos doces, meu amigo.
    Regina Coeli.

    ResponderExcluir

Semeando