sábado, 21 de março de 2009

Cotidiano de uma ex-jovem septuagenária




Cotidiano de uma ex-jovem septuagenária

Ela me fitou enigmática
E com a mão ensaiou posturas como a do pensador
Tentou balbuciar algumas palavras
Mas, tarefa quase impossível, deu com os ombros
Dobrou com a mão boa a ponta do lençol
E me esboçou um leve sorriso
Logo depois ameaçou um terno olhar de quem não entendia
Eu ali, sentado no chão do quarto
Descalço e meio sem rumo, meio sem alma
Escrevendo minhas bobagens
É que a vida para ela ficou assim
Meio sem graça, meio sem chance
Meio sem pronúncia, meio sem meio
Meio sem jeito, meio sem nada
E ainda sem a paisagem do cotidiano
Só restou a janela do quarto
O coqueiro a lhe dar adeus
E uma réstia de sol a lhe fazer companhia
Ah...e o enorme quadro-colagem
Que ainda faz brilhar seus olhos cansados
É que neles estão contidas as fotos de seus netos e netas
O que proporciona alguns momentos de teimosia
Mas não é só isso, para enganar o tempo do próprio tempo
Ela se dedica a mexer na costura do edredom que se desfez
E ali ao se entregar, ganha um alento para o seu silêncio
O que mais esperar...a noite chegou e trouxe o frio
Hora dela deitar e descansar do seu descanso
Os pés estão ficando roxos e meio gelados.
Que mais dizer, escrever ou lamentar
A vida é assim, às vezes dá, às vezes tira
Às vezes soma, às vezes subtrai...


Um abraço na alma...

10 comentários:

  1. Loá, Élcio:
    Pelo visto, voltou-lhe a inspiração. E mesmo que ela morra, continue, não pare nunca de escrever.
    Hoje faço 46 anos. Tem um bolinho no Feminina:
    http://blogrenatafeminina.blogspot.com
    Um beijo,
    Renata

    ResponderExcluir
  2. As vezes tão melancólico...
    Mas a vida é assim, feita de dias ensoladarados e noites escuras como breu!

    Belíssimo!


    Beijo avassalador pra ti!

    ResponderExcluir
  3. Élcio,
    Palavras sensatas. A finitude é certa.
    Não há como "enganar o tempo do próprio tempo", isso é muito verdadeiro.
    Um abraço e boa semana para você!

    ResponderExcluir
  4. ______________________________

    ...assim é! Ciclos da vida...


    São versos belos em sua tristeza!

    Muito bonito, mesmo!

    Beijos de luz e o meu carinho, Elcio...

    __________________________________

    ResponderExcluir
  5. o tempo passa e vamos vendo como nada é eterno
    no entanto quando são vidas , e que nos tocam, faz doer a realidade
    Bj

    ResponderExcluir
  6. Triste sim mas é a vida!
    Os versos são belos e sentidos.
    Beijinhos querido Élcio.

    ResponderExcluir
  7. Estou passando por isso. A vida nos dá e tira é o cíclo. Tua poesia é madura e eterna. Abraço

    ResponderExcluir
  8. É verdade, umas vezes soma, umas vezes subtrai...beijos para ti.

    ResponderExcluir
  9. Mas em tudo isso, o importante é o amor. Este, vence qualquer batalha ou circunstancia.
    Minha mae vai fazer 80 anos. Está bem, gracas a Deus, na medida do possível. Ainda faz e desfaz sózinha, mas eu vou dar-lhe um apoio agora em maio e ficar um pouco perto, já que moro longe e viajo muito. Agora estou há 06 meses na Alemanha.
    Lendo este poema, vejo a realidade nua e crua. E é feliz aquele que consegue chegar até aí!!! O resto é a sequencia da vida.
    Abracos

    ResponderExcluir

Semeando