terça-feira, 31 de março de 2009

O lado asfalto das utopias e querências


O lado asfalto das utopias e querências

Queria um dia derrotar humildemente as palavras
Queria silenciá-las para sempre com seus receios mais sensatos
Queria seqüestrar a empatia e a cumplicidade, sem deixar que elas fujam no meio da tarde
Queria mergulhar dos sonhos e me afogar nas minhas urgências mais urgentes
Queria me conceder o poder de mudar as estações para transformar os invernos em eternas primaveras
Queria ter nas mãos o privilégio de poder honrar a minha ternura
Queria poder nomear o vento meu procurador para que me representasse na temperança dos outonos
Queria congelar em meus olhos as imagens dos instantes que se foram
Queria rasgar um poema triste para cada riso que em mim brotasse
E queria revalidar as escrituras da alma com a simplicidade inocente das minhas palavras
Mas o que estou dizendo?
Esta já é a mais profunda escritura da realidade
A que se tornou concreta, apesar das supostas querências e utopias
Pois ao ser concebida, alimentou-se da razão
E sendo assim, não há como alterar sua natureza
E afirmo isso após ter observado e estudado as ondas do mar
Pois elas chegam até as areias com muita facilidade
E delicadamente nos molham os pés com sua espuma
Mas, logo depois se recolhem, nos braços da imensidão
Há ocasiões em que elas chegam até mesmo na beira dos asfaltos
Isso geralmente acontece quando a maré está cheia
Porém, sempre retornam ao seu destino
Pois reconhecem, e no fundo sabem que aquele é o seu lugar
Portanto, essa será sempre a sua imutável decisão
Surpresa seria o contrário, o oposto
Surpresa seria eternizar a paz na Faixa de Gaza
Surpresa mesmo seria, como já diria meu professor de ética e moral
Alguém querer trocar 10 por 9, e assim perder-se da razão
Bem...de bônus ficarão para sempre as nuances deste quase previsível azul
O resto são, flores, lágrimas, sorrisos e espinhos, e claro, um punhado de esperanças meio tortas numa folha ainda em branco
Isso sem falar de alguns poemas quase elucidativos
Feito com as maresias que o mar deixou na rudeza fria do asfalto

18 comentários:

  1. Inspirado, nesta manhã chuvosa..
    Pequeno Grande Mano..
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Você queria, eu te desejo que cada manhã seja sempre primavera em tua vida.
    Você queria derrotar as palavras e silenciá-las para sempre, eu te desejo que o canto do Universo cante sempre a sinfonia perfeita em letras e melodia dentro do teu coração.

    Lindo teu poema.
    Uma bela terça prá ti.
    Beijos com carinho

    ResponderExcluir
  3. Você escreve divinamente. É quase uma conversa. É poder ouvir a voz. A alma escuta sentada e calada.

    Também, Élcio, queria muita coisa. Mas vamos fazendo o que é possível. Escreva, suas palavras trazem muita emoção e emocionar quem ler é transformar muito querer na alma de quem ler.

    "Queria ter nas mãos o privilégio de poder honrar a minha ternura"

    Achei lindo, lindo.

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Quanta inspiração, ....como sempre ao ler tuas palavras, em frases encontro um pouco do que sinto e não saberia escrever tão bem....

    Lindo!

    Obrigada por sempre enriquecer meu blog com teus comentários...

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Numa inveja saudável...queria ter sido eu a escrever as suas palavras!

    Muito lindo!

    Revelam o que a alma tem no mais intimo dela e sente na transparencia do coração!

    Deixo aqui um abraço e um beijo de muita admiração!

    ResponderExcluir
  6. Para os que escrevem com base em inspiração ai está uma página "inspirada". Para mim uma linda página, uma das melhores do VERSEIRO.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Oi Elcio.
    Passe lá no Pequenos Fragmentos de Luz... Tem um selo que fiz questão de criar para presentear blogs como o seu. Espero que goste.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  8. Elcio quando disse que és o meu mestre lá no blog da Tatiana existe uma explicação lógica, a tua poesia é do hoje e de amanhã, fazes o quotidiano que é muito bom de ler e sem querer me ensina. Entendeu meu chapa? Esta linda narrativa poética prova o que estou dizendo. Abração

    ResponderExcluir
  9. "Queria mergulhar dos sonhos e me afogar nas minhas urgências mais urgentes..."

    Elcio, confesso que tb tenho tantos quereres...
    Mas hoje me contetaria com essa frase sua...
    Só mergulhar nos sonhos e afogar minhas urgências...

    Beijo avassalador!

    ResponderExcluir
  10. Élcio,
    Suas palavras me tocam profundamente... Belo e real.
    Mostram nossas fragilidades e o quanto temos forças para querer buscar o melhor, mesmo nos invernos da nossa existência...
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  11. Eu bem que queria também ser Deus por um dia e pegar as palavras com as mãos e educá-las, mas não sou. Belo poema, Elcio. Sei que me repito, mas é assim que me sinto. É limpo, puro e diz muita coisa.

    E sobre o seu comentário, tb ando de ônibus. E é tanta conversa numa viagem... presto atenção a tudo.

    Bjos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Elcio,

    Obrigada pelo belo comentário, é tão difícil a gente ser a gente mesmo e quando temos problemas então é muito pior, gostei das palavras sábias.

    Obrigada pela visita sempre tão bem vinda.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Que lindo, você escreve divinamente!

    Respondendo:
    Matheus é meu sobrinho sim. Tenho dois sobrinhos, mas ele mora conosco, pois mainha tem a guarda dele!

    Beijão!!!!

    ResponderExcluir
  14. Oi amigo, entrei no site dos jovens escritores e me selecionaram para as tres próximas edições.
    Obrigada pela dica e oportunidade.
    Abçs

    ResponderExcluir
  15. Elcio....
    Puxa...
    abriu as comportas das
    lindas palavras....
    me faz um bem ler voce....
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  16. Não é possível calar as palavras, mas é possível usá-las em nosso favor. Como no poema.

    ResponderExcluir

Semeando