terça-feira, 17 de março de 2009

Último Alento



Este poema é da dona Elza...
Mãe, que eu possa amadurecer sem cair do pé, e ainda ter lucidez para escrever como a senhora...beijo.
Ela tem nada mais nada menos que três cadernos lotadinhos de poemas...77 aninhos...é super religiosa, super coruja, e tudo o mais que uma super mãe pode ser...rsrs
Estamos digitando os poemas, e o sonho é editar um livro surpresa e infartar a coitadinha(brincadeirinha...toc...toc...batendo na madeira...rsrs)
Galera, enrolado para comentar...mas uma hora apareço...um abraço na alma de todos...
Valeuuuuuuuuuuuuu!! Eita vida corridaaaaaaa...eita vidaaaaaaaaa...vamos que vamos...


Último alento

Quando estiver findando o meu tempo
E as coisas se tornarem mais obscuras
Quando meus olhos se moverem mais lentos
Com meu corpo cansado da vida
Então irei escrever meu último poema
Deixarei do meu pensamento
Velhas visões, velhos ideais
Escreverei com as mãos trêmulas
E talvez uma lágrima sentida caia dos meus olhos
Escreverei sobre os anos que vivi
E das coisas que aprendi
Meus dias nublados, coisas do passado
Lembrarei meus dias de sol
Meus dias de tempestade e os dias mais alegres
Enfim, tudo que guardei em minha memória já idosa
Repleta de frases confusas
Então talvez, meu último poema não seja terminado
Pois ele será escrito quando o abraço da morte
Já tiver me cercado
Sendo assim, ficará incompleto
Mas alguém compreenderá que não me faltou esforço
Não me faltou quase nada
Apenas tempo para poder terminá-lo
Irei feliz, pois cumpri com meu dever
Pois morrendo é que nascemos para a vida eterna
Habitaremos na casa do pai
E nela encontraremos com todos
Os nossos queridos que nos precederam
Viveremos uma vida plena de paz e amor
No aconchego da luz de Deus

Elza Ribeiro Pinto

13 comentários:

  1. Olha,
    Este verseiro,viu!
    Me deixou emocionada,
    Parabéns!!!!!!!
    eu só posso...
    APAUDIR!
    Beijos,
    Mari

    ResponderExcluir
  2. ...que encanto
    de poema!

    que presente, sua mamy.

    que delícia poder estar
    aqui emocionando-me
    com vocês!

    adoro

    bj

    ResponderExcluir
  3. A família toda de artistas, o sangue é um fluído composto de sensibilidade e arte. Me emociona.

    Um poema que apesar de ir dando uma tristeza, deixa a força dos que tem fé. Lindo!


    Minha mãe tem 78 anos, com alguns livros lançados, e é uma danadinha no computador.

    um beijo para sua mãe bem gostoso. E o seu você pede a ela quando der o dela. rsrs (vai ser um beijo duplo que vai receber)

    ResponderExcluir
  4. Que lindo Élcio. Com uma mãe assim, só podeira ser uma poeta, com P maiúsculo...rsrsrsrs


    Linda homenagem.
    Beijos e carinhos!

    ResponderExcluir
  5. Querido Elcio...
    você não imagina como as palavras da sua mãe fizeram um bem enorme ao meu coração ao serem lidas.

    Dizem que Deus escreve certo por linhas tortas...eu já acredito que as linhas sejam certas e nos quem entortamos a escrita da vida... por nossa falta de maturidade e confiança.

    Sua mãe, um ser tão iluminado como dá para perceber nas palavras...nos mostra de forma simples e bela...o quanto a vida é algo naturamente belo...

    Um maravilhoso alento para a nossa alma!

    Você herdou esse jeito especial de ser dela...Por isso encanta tantas pessoas nesse mundo virtual.

    Um beijo com o meu carinho e admiração

    ResponderExcluir
  6. Parabéns!!!!
    Lindo, Lindo Lindo!!!
    Me emocionei...

    Beijos!
    Tenha um ótimo restinho de semana!

    ResponderExcluir
  7. Uma genética impressinante.
    Um dom.
    A melhor sina que se tem é ser artista.
    Mãe artista filhos com alma bela e leve.

    Bela também esse texto-homenagem.

    Carinho,

    Mai

    ResponderExcluir
  8. Que lindo...
    Como disseram aí em cima: puro encanto!
    Parabens a Dona Elsa!

    ResponderExcluir
  9. Élcio, querido que lindo, já compreendi daonde vem seu talento.
    bjs aos dois

    ResponderExcluir
  10. Parabéns Srª D. Elza!
    O dom vem de familia, Élcio.
    Beijinhos com muita ternura.

    ResponderExcluir
  11. Um conto verdadeiro.....muito bom mesmo....

    ResponderExcluir
  12. Vê-se que o fruto saiu à árvore. Belo e encantador poema e mais ainda a homenagem. Aplaudo os dois. Abçs.

    ResponderExcluir

Semeando