quarta-feira, 15 de abril de 2009

Uma réstia de luz



Fala galera...postando...mas ainda na correria...provas, provas...mas apareço
Um abraço na alma...

Uma réstia de luz

É noite e chove
Porém, dentro de mim
Um feixe de luz se abre e me clareia
E se ainda quase nada entendo
Adio agora o meu silêncio
É que me antecipei aos fatos
E dispensei a inocência
Pois não me quero triste
E nem alegre em demasia
Apenas quero enternecer
No espaço que ficou entre o céu e a terra
Entre o sonho e a realidade
Diante as tantas incertezas
Que a vida me concedeu
Sobraram algumas palavras
E ainda algumas interrogações
Que sobrevivem sob os poemas
Por isso indago e medito
Sobre o que sei e sobre o que jamais entenderei
Sendo assim, atrevo-me a sublimar
Não só por mim, mas pelos outros
Que não me sabem tanto assim
Tão gente, tão simples, tão comum
E por isso tão cheio de estações
Tão repleto de imperfeições
E por isso mesmo, tão cheio de caminhos
Ainda não totalmente desbravados
Mas, também pelo outro, que tanto me soube
Demasiadamente inteiro
De tanto me abrir e fechar a alma
E de tanto me acender e apagar a luz
Que agora o vão se preencha de solidez
Dentro dessa calma inconsciente
Pois escureceu e mesmo assim a luz resiste
Ao deixar transparecer toda a sua ambigüidade
Ainda arraigada em suas entrelinhas
É que meus olhos apesar de tão pequenos
Tornaram-se inevitavelmente grandes
Ao procurar pelos instantes que se foram
Pois eles se abasteceram de ausências
Ao banirem de mim as suas emoções
Porém, sempre que o ontem me tarda
Reinvento esperanças, e me visto de azul
Pressinto o mar com suas ondas que vão e vem
E pressinto o céu, às vezes breu, às vezes blue
Portanto, apesar da alegria, me substancio de realidades
Pois não me quero triste
E nem alegre em demasia
Apenas quero enternecer
No espaço que ficou entre o céu e o mar
Entre o sonho e a realidade
Diante as tantas incertezas
Que a vida me concedeu
É que a cor que ainda me alcança
Traz a tez e o sabor de outrora

14 comentários:

  1. "entre o céu e a terra
    Entre o sonho e a realidade"
    que semeie sempre uma réstea de luz multicor!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. "Pois não me quero triste
    E nem alegre em demasia
    Apenas quero enternecer
    No espaço que ficou entre o céu e a terra"

    Eu também não te quero triste Poeta...portanto abra um largo sorriso e o peito para um dia que com toda certeza depois de ler tão belas palavras será um dia colorido e muito feliz!

    Um beijo com o meu carinho

    ResponderExcluir
  3. Esqueci de desejar SUCESSO nas provas!

    A torcida aqui você sabe que é grande!rsrs

    Beijim

    ResponderExcluir
  4. Olá, amigo-querido.
    Lembrei de "não sou alegre nem sou triste, sou poeta!"

    Por mais que chova lá fora, para mim o mais difícil é quando chove aqui dentro e, o teu poema fala de LUZ interior. E por esta luz também iluminas nossas reflexões.

    E porque és humilde falas em réstia de luz que ilumina o teu interios, teu âmago. Mas fico pensando que alguém tão iluminado e carismático como tu, Élcio, estaria mais para holofotes internos e que aqueceriam tua alma e por tabela iluminando teu pé de versos e nessa linha, NÓS, os teus leitores.
    Então não é apenas réstia. É luz imensa.

    Depois lembrar que jamais abriste mão da inocência. Porque é na criança que em nós habita que a inocência mora. E vejo-te sempre menino no verseiro.

    Ambiguidades são saudáveis.
    Tristeza e alegria se alternam.
    Isto é VIDA!
    E tu, és LUZ!

    Carinho,

    Mai

    ResponderExcluir
  5. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra, nem tão alegre, nem tão triste, no meio a réstia. E o que sabe que nunca saberá, um dia, poeta, com certeza, saberá.
    Élcio:
    Postei sobre A Dama das Camélias e apresento algumas obras de Artemísia Gentileschi, além de poemas alheios e meus, flores, o de sempre, embora o Galeria esteja um pouco mudado. Conto com você.
    Um abraço,
    Renata
    PS: Não precisa ler tudo, leia o meu soneto sobre as flores

    ResponderExcluir
  6. Elcio,

    Seu blog tá diferente ou estou atrasada em minha observações? Eu gostei dos livros, vídeos e daquela frase-poema que fala do beijo roubado. Enfim, gosto muito de sua poesia. E ela sempre fala por mim. =)

    ResponderExcluir
  7. Elcio, meu querido verseiro, e que ainda tem belos pés de versos... Sabes colher maravilhosamente cada versinho e juntando tudo sai um lindo poema assim!
    Vc enternece de todas as maneiras!
    Vc encanta de todas formas!
    Obrigada por tanto carinho em seu comentário no meu blog...
    Tem dias que a gente fica meio sorumbática...rs

    Aí vem "Uma Réstia de Luz" e ilumina tudo!


    Beijos na alma, no coração e onde mais quiser...rs

    ResponderExcluir
  8. Élcito, promessa é dívida, "olha eu aqui" às 23:06hs!!!

    Luz...queremos sempre a luz...que nos salva, que nos consola, que nos traz uma idéia, que nos dá esperanças... Saiba que sempre há uma "luz" no fim do túnel, sempre!!! É nela que precisamos mirar e atrás dela que precisamos ir. Sabemos que às vezes os caminhos são mais sinuosos do que esperamos, mas precisamos confiar que ela sempre estará lá, nos esperando!!! Desejo que vc vá de encontro a essa "luz", a sua "luz", esteja ela dentro ou fora de você!!!

    Dani.

    ResponderExcluir
  9. Gostei tanto do seu blog, que até virei sua seguidora...rs...belas imagens, textos ainda que prometo ler outras vezes, de bastante bom gosto. Parabéns pelos prêmios que vc conquistou. Sorte e sucesso sempre!!!

    ResponderExcluir
  10. Olá Elcio,

    Passando para te ler.

    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Umas vezes alegre e outras triste...
    Sempre lindos os teus poemas.que na tua vida exista sempre a LUZ!
    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
  12. Amigo poeta camarada, a tua poesia é fantástica, vc já percebeu que eu não sou muito bom como vcs para comentar. Mas posso dizer que gostei muito outra vez. Abraço amigo

    ResponderExcluir
  13. Tem um selo pra você com todo carinho no meu blog CaCoSeCaCaReCoS
    http//fabiguaranho.blogspot.com

    ResponderExcluir

Semeando