segunda-feira, 27 de julho de 2009

Sintomas primaveris de um quase verão




Sintomas primaveris de um quase verão


Ainda sopra um vento no meu poema
E de tanto ele rein-ventar palavras
Acabei dando asas as minhas incertezas tão certas
Por isso ainda vôo, como quem voa sem medo
E ainda plano, assim como quem plana
Sob o céu e sobre os oceanos
Ao parafrasear as estações com meus tons mais cotidianos
Sendo assim, vou absorvendo na alma, um tanto de cada estação
Por isso recolho as folhas secas derramadas do outono
E as protejo do frio que se instalou nesse meu inverno
Logo que depois inconsciente, perdoei o sol que por ventura
ainda acolhia com ternura os meus tais sintomas de verão
é que as vezes me bate uma brisa enlouquecida
e já em outras, uma ventania que mais lembra calmaria
porém, nessas intempéries, há também um suave perfume
uma alquimia que me lembra o frescor das azaléias
a invadir-me a alma com a sua primavera
transformando com afeto toda a ausência em alegria
assim numa linguagem meio que abstrata, quase que não tangível
mas, de um azul tão macio, que me lembra a textura de uma flor
além disso, teu semblante é de uma candura tão flagrante
que mareja os olhos e faz explodir a carne com outros sentidos
ah...essa coisa de tão sublime e tão carnal, necessita de respostas
necessita conjugar os verbos mais distantes no presente
pois as palavras que ora se perdem, estão interligadas
aos territórios do corpo e da alma
e não há mais como orquestrar esta inquietação que não se ausenta
já que ainda soberana, ainda me incendeia os poros e a pele
nessa intransparência enternecida que padece
devido ao calor e ao queixume que me apetece este verão
já que desde aquele dia
os dias e as noites nunca mais foram iguais
pois deixaram em meus olhos
um olhar e um talvez
um sei lá embriagante
e a rubra cor da sua tez

quarta-feira, 22 de julho de 2009

COISA DE PELE



Olá pessoal, esta como é toda cheia de rimas, mereceu uma melodia...
Um abraço na alma...


COISA DE PELE


PELE QUE CEDE

QUE PEDE E NÃO MEDE

QUE BUSCA E REPELE

A VONTADE QUE ADERE


PELE QUE NUA

TÃO MINHA E TÃO SUA

QUE ATACA E RECUA

QUE ARDE E JEJUA


PELE QUE SENTE

A FOME DA GENTE

DESEJO NÃO MENTE

QUERER SER ARDENTE


PELE QUE ACEITA

QUE CERCA E ESPREITA

CONTORCE E SE DEITA

SE COBRE E DELEITA


PELE É FORNALHA

ESQUENTA E SE IGUALA

O TESÃO SE ESPALHA

NA ALMA A NAVALHA

sábado, 18 de julho de 2009

“HERRAR É UMANO"



Bom dia galera...vi um filme esta semana muito bonito, onde o humano se fez presente nos momentos mais precisos. Emocionei com o todo e foi muito bom receber e dividir estes sentimentos dentro de mim. Bom fim de semana para todo mundo...um abraço na alma.


“Herrar é umano”

É...eu sou humano, por isso erro
assim como todo mundo
e não sei se sei exatamente o motivo
mas sinto muito orgulho disso
pois me saber conscientemente imperfeito
É quase atingir a desumana perfeição
dentro desta minha humana incoerência
creio que esta não seja a melhor e nem mesmo a mais bonita
dessa minha intrínseca humanidade
mas, com certeza é a mais importante
pois aceitar esta condição inexata
é dar um passo a mais em busca de mim mesmo
é subir mais um degrau na escala da alma
concedendo, sem falsas interpretações
o direito pleno de também me perdoar
já que as vezes troco os pés pelas mãos
toda vez que me ausento, quando deveria me presenciar
toda vez que me maquio, quando deveria me sujar
toda vez que me calo, quando deveria me falar
toda vez que me cego, quando deveria me enxergar
toda vez que não me ouço, quando deveria me escutar
toda vez que me inocento, quando deveria me culpar
espera aí...esta última frase pareceu-me agora
um tanto o quanto assim contraditória
mas será que existe coisa mais humana do que isso?
talvez sim, talvez não...
mas uma coisa é certa
quem somos nós para julgar...

segunda-feira, 13 de julho de 2009

DEFININDO O AMOR



Katie tinha cancro em estado terminal e passava horas por día recebendo medicação.
Apesar de sentir muita dor, de varios orgãos estarem a falhar e ter que recorrer a morfina, Katie levava à frente o casamento.
Seu vestido teve que ser ajustado varias vezes, pois Katie perdia peso todos os días devido à doença.
Katie morreu 5 días depois do casamento.
Ver uma mulher tão debilitada vestida de noiva e com um sorriso nos labios faz-nos pensar...a felicidade sempre está ao nosso alcance, dure quanto durar...

Olá pessoal...esta história mereceu a postagem...
Uma ótima semana pra todo mundo...



DEFININDO O AMOR


NÃO HÁ REGRAS FIXAS PARA O AMOR

NEM HÁ AMOR QUE NÃO SE RENDA

AMOR NÃO SE DEFINE E NEM TEM COR

NÃO SE ENCONTRA QUEM O VENDA

NEM SE DESINTEGRA AO SER DOR

E NEM DESISTE AO ABRIR DA FENDA

APENAS SEMEIA E COLHE SEM PUDOR

A FLOR DE TI QUE AINDA SE DESVENDA

NÃO HÁ EXPLICAÇÕES PARA O AMOR

NEM HÁ AMOR QUE SÓ SEJA LENDA

AMOR NÃO SE ENCONTRA SEM ARDOR

NEM ACEITA QUEM O REPREENDA

NÃO SE ENTREGA SÓ POR SER FUROR

NEM ACEITA SER SOMENTE PRENDA

BUSCA SEMPRE SER ENCANTADOR

AO TRADUZIR A ALMA SEM LEGENDA



NÃO HÁ DEFINIÇÕES PARA O AMOR

NEM SEQUER SINAIS QUE SE ENTENDA

AMOR NÃO SE IMPÕE, É SEDUTOR,

É SENSÍVEL E ALÉM DE TUDO OFERENDA

AMOR É DE TI SEU PRÓPRIO AUTOR

INSTIGANDO O SONHO QUE ACALENTA

ENTREGANDO AO OUTRO O SEU CALOR

E O LIVRE ARBÍTRIO QUE ATORMENTA

O AMOR É SEMPRE PURO E ACOLHEDOR

AMOR É FESTA TODO DIA E SEM AGENDA

É LIVRE COMO OS VERSOS DO ESCRITOR

É SONHO QUE NA ALMA NÃO SE AUSENTA

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Eu, barco



Fala galera, este poema está no livro, e é mais um "Eu alguma coisa" que eu ainda não havia postado por aqui, acho que ainda faltam dois.
Um ótimo final de semana para todo mundo, um abraço na alma...


EU, BARCO


EU QUERIA SER UM BARCO

PARA PERCORRER TODO O SEU AZUL

FEITO DE BRUMAS E MISTÉRIOS

E ASSIM ENTÃO TE NAVEGAR

E SENTIR EM MEU ROSTO O TEU ROSTO

E A TUA ALMA EM MINHA ALMA

PARA ENTÃO DESBRAVAR TEUS LITORAIS

E ANCORAR EM TUAS PRAIAS

ASSIM COMO AS ONDAS QUE INVADEM AS AREIAS

E DEPOIS SE RECOLHEM, LEVANDO COM FORÇA

OS GRÃOS DA SUA INTIMIDADE

terça-feira, 7 de julho de 2009



Fala galera, o meu PC está uma mer....cadoria...Mas o novo CD do Kleiton e Kledir mereceu esta postagem.
Músicas novas, muito boas, esta primeira tem uma introdução com violino que dá água na boca, a letra é pequenina, mas a melodia faz ela ficar grande de alma e coração. Eu particularmente adorei a letra que fala sobre os componentes: terra, fogo, ar, do Sol e da Lua. Vale a pena!
Um abraço na alma, boa semana para todos!

http://kleitonekledir.uol.com.br/

A Dança do Sol e da Lua
(Kleiton Ramil & Kledir Ramil)

Terra, água
Fogo e ar
Canto noite e dia

Lá no céu
A Lua e o Sol
Dançam sem parar.


Nesta outra me identifiquei com algumas passagens, como ter nascido com 2kgs e 100...rsrs, além disso fala de amizade, futebol de botão, trocar os pés pelas mãos, bife, arroz e feijão, goiabada cascão, cervejinha de lata, eu odeio gravata...rsrs
Muito...muito divertida...

Autorretrato
(Kleiton Ramil & Kledir Ramil)

- Já nasci estressado
Com 2 kgs e 100
- E eu, careca e pelado
Meio magro também
- Não peguei catapora
- Não fui me batizar
- Vixe Nossa Senhora
- Salve Oxalá!
- Fui criado na rua
Tenho meus pés no chão
- Sou do mundo da lua
Troco os pés pelas mãos
- Tenho medo do escuro
- E eu de andar de avião
- Sou de Porto Seguro
- E eu de Jaguarão

Coisa boa é um amigo
Pra poder se encontrar
E jogar conversa fora
Tu me ensina a viver
Que eu te ensino a sonhar
E por aí vamos embora

- Sou do balacobaco
- Eu não tô nem aí
- Jogador de buraco
- Coleção de gibi
- Futebol de areia
- Futebol de botão
- Caminhada na esteira
- Televisão
- Tô relendo Bandeira
- E eu, Machado de Assis
- Sou Flamengo e Mangueira
- Vasco e Imperatriz
- Sinto frio nos joelhos
- Eu, na ponta dos pés
- Sou alérgico a pêlo
- Tenho chulé

Coisa boa é um amigo
Pra poder conversar
E trocar figurinhas
Tu me ensina a viver
Que eu te ensino a sonhar
Cada sonho que eu tinha

- Eu só como o miolo
- Eu, casquinha do pão
- Spaghetti com molho
- Bife, arroz e feijão
- Sou viciado em chiclete
- Picolé de limão
- Bomba e crepe Suzette
- Goiabada cascão
- Sou Aquário com Touro
- Ascendente Leão
- Eu já fui escoteiro
- Escapei de raspão
- Sou cantor de chuveiro
- Eu adoro dançar
- Vou casar em janeiro
Em B.H.

Coisa boa é um amigo
Pra poder revirar
O que ficou na lembrança
Tu me ensina a viver
Que eu te ensino a sonhar
Cheios de esperança

- Eu odeio gravata
- Gente com celular
- Cervejinha de lata
- Coca Cola sem gás
- Ando sempre atrasado
- Eu só pego metrô
- Corro atrás de uns trocados
Sou professor
- Não relaxo o pescoço
- Eu, só no Maracanã
- Eu só durmo de bruços
- Eu, com Lexotan
- Uso toca de banho
- Cueca samba canção
- Eu não ronco
- Estranho, eu também não!

Coisa boa é um amigo
Pra poder confessar
Cada velha mania
Tu me ensina a viver
Que eu te ensino a sonhar
Cada sonho que havia


- Ando meio caído
- Pra lá de Bagdá
- Uma certa barriga
- É, já deu pra notar
- Vou fazer um check up
- Já parei de fumar
- Antes que dê um ataque
Vou pra um spa
- Sou do tempo do êpa
- Andei de DKW
- Volta ao mundo, Lambretta
- Brinquei de bambolê
- Hoje eu olho na volta
- Olho e sei que valeu
- Vou levando a vida
Graças a Deus

Coisa boa é um amigo
Pra poder relembrar
Pois são tantas histórias
Tu me ensina a viver
Que eu te ensino a sonhar
Pela vida afora

Coisa boa é um amigo
Pra poder relaxar
E jogar conversa fora
Tu me ensina a viver
Que eu te ensino a sonhar
E vamos tocando a bola.

sábado, 4 de julho de 2009

Será mesmo seu nome Eduardo Velloso Matos?

Feliz Aniversário Thaísa, brigadim pelo "Eduardo Velloso Matos"...o aniversário é seu, mas, o presente foi meu...rsrs...você me fez voltar no tempo e lembrar das minhas maluquices boas, muito parecidas com esta, época em que a inocência nos permitia gestos ainda mais humanos. Gostei...mas, cuidado!
Beijão filhota...juízooooooo...rsrs



Será mesmo seu nome Eduardo Velloso Matos?

Pés sem rumo, andarilho
E um olhar que lembrava fome e cansaço
Fazia destoar o sorriso menino em seu rosto
E não se sabia se era loucura, fantasia
Encenação, verdade ou utopia
Certo mesmo é que as palavras que afloravam de sua boca
Transgrediam o real sentido da nossa vã filosofia
E,todavia, o que ainda poderia vir
Tanto que ela sem compreender
Foi tirando de seu bolso
Uma moeda, uma esmola
Inocente pré-tensão a dela
A ele não interessava a esmola
Ele só queria existir, coexistindo
Queria apenas receber uma palavra sã
Sentir-se gente, sentir-se perto
E sorrir mostrando os dentes
Mesmo sendo banguela
Para depois abrir os braços e brincar
Do inusitado sopro do dragão
É que sua alma agora estava quente
Flamejante de ternura e carinho
Ele só queria isso e mais nada
E conseguiu...



Ultima dia de votação...acesse já...rsrs
http://cacinho.conexaovivo.com.br

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Déjà vu

Fala pessoal...bom fim de semana pra todo mundo. Um abraço na alma.
Entrevista concedida no blog Fio de Ariadne, taí o link...valeu galera...

http://fio-de-ariadne.blogspot.com/


Déjà vu



Havia um velho barraco e "uma gente"

uma certeza em vão e "sete fomes" urrando

havia um fogareiro e uma chama que ardia

uma garrafa com água e "várias sedes" vazias

havia um copo e uma roupa sem cama

uma vontade vencida e uma ainda gritando

havia uma chance e outras duas vagando

um pedaço de hoje e um "tal Déjà vu"

havia um prato e uma raspa esperando

um naco de pão e uma vontade sofrida

havia um teto de "prástico" e um vento na pele

um frio rasgando e uma doença sorrindo




havia um lixão e alguns delírios na alma

uma pedra no estômago e uma ferida na mão

havia uma dor e um "tantin de esperança"

uma vasilha no fogo e uma outra no chão




havia um pai e uma tristeza latente

uma mãe solidária e um só cobertor

havia em meus olhos uma voz embargada

uma fome de ontem e também de amanhã

é que havia um havia que eu já sabia

pois o havia que eu via

não havia de ser...





Charge: Cacinho



Fotos: Sebastião Salgado