quarta-feira, 21 de outubro de 2009

COISA DE PELE na Festa Literária de Porto de Galinhas



Bom gente, aqui é o Cacinho.. o Tui pediu pra que eu postasse hoje pra ele, por que ele tá enrolado com os trabalhos da Faculdade....
Então vou aproveitar pra divulgar que o poema dele e minha animação, com a música de nosso irmão Edu, com a voz de minha amiga Jamila.
está concorrendo ao Prêmio Poesia em Vídeo, na Festa Literária de Porto de Galinhas...
A votação popular vai até o dia 25, e tem peso 5 na disputa do prêmio que será somado também ao voto do juri técnico...
Então estamos contando com o voto dos amigos e se possível uma certa divulgação em suas listas...

COISA DE PELE

link para votação é este:

http://www.fliporto.net/votacao2/#

muito obrigado

Cacinho
Elcio Tuiribepi
Edu Toribe
Jamila Zgiet

Beijos e Abraços

domingo, 18 de outubro de 2009

O nome dela deveria ser UmbeLINDA...RSRS


Olá pessoal, quero apresentar para vocês um pouco da poetisa “Umbelina Nascimento Nunes”, o texto é grande, mas vale a pena ler, é uma história, pelo menos em minha opinião carregada de significados, cheia de coração e alma...




O nome dela deveria ser mesmo Umbe“LINDA”...rsrs...nesta foto ela está em Portugal, na casa de uma prima e tem um filho que mora na França, onde ela já esteve também...

Ela nasceu no município de Pombares em Portugal (Quintela de Lampaça) e veio para o Brasil ainda muito novinha, para morar na cidade de Mendes RJ onde eu trabalho e onde ela vive até hoje com seus familiares.

E foi de maneira totalmente inesperada que a conheci semana passada ao reencontrar um amigo. Conversando com ele sobre a sua Sebolândia ( lojinha que vende livros usados, dvds e cds e outros...rs...) fiquei sabendo da história da Dona UmbeLINDA (vou chamá-la assim..rs).

Não é que no meio das coisas antigas ele encontrou o livro “Fados” onde ela reuniu mais de 90 poesias de sua autoria. Mas o que tem de mais nisso, vocês devem estar se perguntando...rss
É que tudo isso não teria NADA DE EXTRAORDINÁRIO, se ela soubesse LER E ESCREVER, pois é, ela NÃO SABE...e seu despertar para a poesia foi aos 15 anos de idade, mas não foi muito além, por causa de seu ANALFABETISMO...

Até que um dia ela decidiu mudar isso...
"Para onde vou, sempre carrego comigo um caderno e caneta. Tenho muita facilidade para fazer poemas, tanto que na loja dos meus filhos, onde costumo passar parte de meus dias, os clientes que já me conhecem, dão o tema e eu faço a poesia na hora. Assim sendo, já tenho um baú repleto de cadernos”

Disse a meu amigo que queria conhecê-la e que precisava de uma foto dela para colocar no blog, quando cheguei ao trabalho, quem já estava lá me esperando com uma dúzia de fotos? Rsrs...pois é, muito interessante o jeitinho dela...rsrs...uma figurinha encantadora...rsrs

Ela é muio simples e anda com seu bonézinho e quando quer “escrever um poema”...rsrs...segura alguém pelo braço no meio da rua, dentro do ônibus ou seja onde ela estiver para que escreva para ela...rsrs

Por isso as folhas que vi na Sebolândia tem tantas letras diferentes...achei isso super interativo...me arrepiei com a história...rsrs...e resolvi postar...

Ah...ela inventou uma forma de interagir também com as crianças, ela vai contando uma estória e as crianças vão desenhando o que ela narra, vi vários desenhos que demonstravam isso...show de bola também...rsrs...

Bom domingo para todo mundo, boa semana, a buzanfa está doida por causa do TCC...rsrs...fazer o quê, deixa eu continuar...rsrs...um abraço na alma, um beijo e um queijo...
Deixo com vocês uma pequena amostra das facetas poéticas de Dona UmbeLINDA...RSRS

Essa eu achei num papel amarelado, com erros de português e sem titulo...rsrs...esses detalhes também são prá lá de interessantes...rsrs...fico imaginando a expressão no semblante das pessoas quando ela os para e pede para escrever...rsrs


Não sei se é mentira
ou promessa
o castigo de ser poeta
parece até um passarinho
que fugiu do ninho
e o destino...
foi Deus que mandou
ou fui eu que quis assim?

Umbelina do Nascimento Nunes

E a vida segue com um pressentimento de déjà vu...rsrs

sábado, 10 de outubro de 2009

A borboleta azul e seu casulo


A borboleta azul e seu casulo

Estava te observando
entre um vão e outro
nas entrelinhas das flores
no suor das mãos e das folhas
nas batidas do coração
e onde havia um espaço
dentro do escasso que me cabia
pois era para ter florido ontem
a parte que ainda teima e rima
diante a chegada da primavera
porque na verdade
ela era quem mais te procurava
entre uma fenda e um outro espaço
em meio as bromélias e os jasmins
e até mesmo dentro daquela seiva azul
que me umedecia os olhos
por causa das lembranças
mas por onde anda a borboleta?
perguntou curiosa a primavera...
está ali, naquele casulo
onde reabastece em silêncio
o combustível de suas asas
respondi bem baixinho...
não querendo incomodar as abelhas
e muito menos as vespas
até que de repente ela me perguntou...
e você, por onde andava?
aqui mesmo no meu jardim
atrás do escasso que já nem me ouvia
já que era para ter sido entregue ontem
essa saudade de hoje
essa querência de agora
mas, tudo tem sua hora, não é mesmo?
portanto declaro: de agora em diante
todo vivido instante
será mais constante
para que logo termine
a intransigente espera

E viva o meu TCC...tá saindo...tá saindo...parece até uma borboleta saindo do casulo...uma hora ele voa...rsrs
Um abraço na alma, um beijo e um queijo...

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Um estação chamada encanto II


Você abriu timidamente a porta
E eu, assim como a primavera
Fui abrindo um a um todos os seus botões
Brinquei sorrindo incessantemente com teus seios
E neles as minhas digitais se fartaram
Diante a tão sonhada maciez
Da qual eu já sabia ter a textura de sua pele
Degustei teus mamilos como se fossem flores
Enquanto que nossas peles se tocavam
Numa lúcida alegria alforriada
Até que descobri na tua delicada anatomia
Os lugares mais sensíveis desta tua geografia
Tanto que a tua paisagem me aprisionou
Numa eventual desarmonia dos sentidos
Pois nada, nada igual já me conteve
Assim tão plenamente incontido
Por isso na viagem de nossas línguas
Furtamos inconscientemente, carícias consentidas
E tão milimétricamente convulsivas
Que por instantes, despi-me do desejo
E contemplei teu corpo, tua alma, teu semblante
E ali fiquei, como platéia, meio que assim, totalmente extasiado
Até que você de forma mais pungente, resgatou-me obstinada
Invadiu minhas fronteiras e tomou as rédeas das nossas querências
Pariu meus anseios com teu ventre e com teus seios
E comeu meus desejos com a ternura já em chamas
Então, já dentro de ti, poemei como quem poema alucinado
De tão feliz e ardentemente encantado
Ao inundar os sonhos com a realidade
É que a poesia agora já não era apenas mera utopia
Virou o avesso do avesso ao avesso do avesso
E sentiu o calor de suas pétalas mais íntimas
E foi assim no descompasso inocente da ousadia
Que nos permitimos dar adeus ao nosso inverno
Reacendendo dentro da alma
A chama azul da primavera
Ainda meio ausente, mas apareço...ótimo fim de semana para todo mundo...um abraço na alma, um queijo e um beijo...