sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Dentro e fora de mim



Dentro e fora de mim

Nestes últimos tempos
Não deixei vestígios sob os meus pés
Pois eles sequer pisavam o chão
Minhas mãos, essas sim, são suspeitas
E porque não dizer responsáveis
Já que propositadamente puxaram
O fio invisível
Deste novelo sem meio e sem fim
Aos olhos da trama e do drama
Que ainda se encontram
Dentro e fora de mim

Um abraço na alma, um beijo e um queijo salpicado com orégano..rs

26 comentários:

  1. Olá Poeta!
    Gosto dessa forma de expressão.
    Gosto quando as palavras fluem dando vazão ao rio de nossas emoções!
    E correm cristalinas inundando quem as lê de nossa verdadeira essência.
    O poema é pequeno, mas imenso em sentimentos e alma.

    Quanto ao livro... Estou amadurecendo essa idéia! Pode ter certeza de uma coisa, quero a sua participação nele. Você sempre me incentivou e isso não será esquecido jamais.

    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso teu poema!Um lindo fim de semana,abraços,chica

    ResponderExcluir
  3. Dentro y fuera de mí, hay todo un mar de sensaciones.
    Bello amigo poeta.
    besos!!!

    ResponderExcluir
  4. Dentro e fora de mim as emoções dançam sem parar...
    Lindo!!!!
    Tenha um dia maravilhoso!
    Queijo salpicado com orégano é tudo de bom.rs

    ResponderExcluir
  5. Que fantástico, a associação que você fez entre os versos e a imagem foi perfeita. Show de bola!
    Adorei o post todo, poeta!


    Beijos e bom findi pra ti!

    ResponderExcluir
  6. Muito bonito e algumas vezes na vida acontece assim mesmo. O fio dentro e fora tecem caminhos. A imagem ficou perfeita.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Há tantos fios invisíveis dentro desse novelo-vida e nossas mãos procuram acertar os pontos. Ah, querido poeta, é lindo... Tão lindo poema.

    Obrigada pelo beijo, pelo queijo.
    O orégano deixo fora...

    Abraço, com carinho

    ResponderExcluir
  8. ...felizes os que encontram
    o fio e dele fazem a melhor
    rede para descansar os sonhos.

    aqui sempre sempre tão lindo!

    casa de poeta é assim mesmo.

    encanta e seduz.

    bjbj

    ResponderExcluir
  9. Élcio,
    lindo texto.
    " Deste novelo sem meio e sem fim"
    Num é assim mesmo que
    vemos a vida as vezes?

    Postei mais um texto
    la junto
    do que você já comentou, tem o nome
    de pro-vo-ca-ção 2.

    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  10. Élcio, gostei muito da imagem, das mãos e dos fios, simbolizaram bem esses fios invisíveis que tocamos, que puxamos e que desenrolam sentimentos, pensamentos, vidas....

    beijo, bom final de semana!

    ResponderExcluir
  11. ah... esse fio que nos atravessa, e tantas vezes confunde o que vem de dentro e o que é de fora...

    lindo elcio...

    beijo

    ResponderExcluir
  12. Adorei Élcio!
    O poema, a foto...
    Vou levar o beijo, o abraço e um pedacinho de queijo com oregãos, tá? ;D
    Beijinho!!!

    ResponderExcluir
  13. Perfeito esse cenário, feito de imagem, palavras e sons que a gente adivinha... Bjs meu lindo.

    ResponderExcluir
  14. Eu, ultimamente, tenho me enfiado em dramas e tramas inteira, e não só apenas com as mãos... kkkkkkkk
    Gostei do poema, Elcito!
    E que queijo é esseeeeeeeeeee? Quero mais! hihihihi

    Beijocas e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  15. Então Elcio,
    bom dia de sabado pra nós!
    De fato ja postei mais aqui:
    http://meusreflexoscontostextoseafins.blogspot.com/
    E foi logo no primeiro post se não me engano. Como quero juntar os texto sob o mesmo argumento:provocação.
    Resolvi trazer pro Reflexo.
    Adoro que tenha essa memória e
    lembrar já ter lido.
    Quanto a sequencia assim por dizer
    ja esta quase terminada e segue ao calor de uma lareira...que acha?
    Desejo manter o argumento,porem mudando de cenário...que acha?
    Bjins

    ResponderExcluir
  16. Amigo Elcio você levita na trama com a alma aberta neste belo poema.
    Sim um beijo na alma, mas sem orégano para não tirar o verdadeiro gosto do queijo...Uai!

    ResponderExcluir
  17. Como puxamos vários fios da vida que nos levam por vezes a caminhos que não queremos.


    No meu cantinho penso que te referes á foto da água, foi tirada nas minhas férias quando fiz um cruzeiro então em alto mar tirei do barco a foto para baixo e apanhou assim o mar, a outro penso que é identificável as nuvens eheheeh

    Então descobri que somos colegas, tambem sou bancaria, e se não for a parte da " poesia" pintura bem a parte das artes a equilibrar o que para mim é mau no trabalho, pois para mim é muito dificil lidar com a a frieza do que é hoje em dia ser bancario, acho que dada em maluquinha
    beijinhos

    ResponderExcluir
  18. nossas duas metades: o dentro e o fora; o sacro e o profano; o verso e o anverso...
    lindo!
    meu carinho,
    anderson fabiano

    ResponderExcluir
  19. Dentro e fora tantos sentimentos bons,,,tanto amor,,tantos passos deixamos nas estradas da vida...

    sabe meu amigo, acho que não to conseguindo sair do vicio dos versos tristes,,,varios amigos ja me comentaram isso, sobre os textos,,,as mudanças de imagens,,,espero ser um momento nuvem,,,que passe logo...abraços de otimo final de semana e obrigado pela sua amizade.

    ResponderExcluir
  20. Olá Elcio, é sempre um prazer ler você.
    Aceito e devolvo esse abraço na alma.

    ResponderExcluir
  21. Oi Elcio

    Bonito texto parabéns pelas palavras.

    Hoje vou ver um filme de terror adoro terror e suspense rsrsrs.

    Bjs

    Lu

    ResponderExcluir
  22. Elsio
    As mãos será o acaso? pode não ser as coisa nunca acontecem por acaso
    Um beijo...

    ResponderExcluir
  23. Olá, Elcio ... tramas e dramas ...destes não estamos livres e,digo até,que já são pertinentes aos poetas expressando a própria vida em poesia.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  24. seguir com a pro-vo-ca-ção?
    ja estava escrito...esta la...
    bjins

    ResponderExcluir

Semeando