sábado, 20 de fevereiro de 2010

O lado concreto das ilusões


O lado concreto das ilusões

São tão abstratos os caminhos
Que estou tentando aceitar as paisagens
Reconstruindo o cotidiano na menina dos olhos
E avaliando o peso das ausências
Que num futuro bem próximo
Poderão estar presentes no meu dia-a-dia
Portanto, melhor não esquecer e nem distorcer os fatos
Porque eles fazem parte desse todo
Melhor não subtrair dos poemas a palavra pedágio
Porque esta sim, define o valor e o tempo pela busca inalterada
Apenas redobro a atenção e observo com cuidado os atalhos
Para que eu possa dar um rumo a esse norte tão sem norte
Mesmo que mais adiante ele retorne novamente sem sentido
Porque o quase, apesar de quase sempre
Não merece realmente ser em vão
Pois há de se respeitar os reflexos do espelho
Já que nele uma das margens se abriu
E explícita, precipitou-se de tons azuis
Enquanto que a outra reflexiva
Refletiu-se nas imagens de seus sonhos mais concretos
Por isso, a ilusão se foi, conscientemente
Deixando um legado incomparável de aprendizados
E um sem fim de efêmeras primaveras
Sendo assim, adormeço nos braços desse tal de anseio
Que agora quase sem anseios
Apenas acaricia, meio que sem jeito
Os próprios seios da ilusão
Assim, observando e absorvendo do tempo
Esse tempo que sem tempo, fez o tempo não voltar
Só resta agora compreender e abraçar a verdade
Juntando e colando com muita calma os estilhaços na alma
Dentro do leito onde se forjaram as utopias de ontem
Assim, lentamente, fragmento por fragmento
Com todo o carinho e a ternura
Que há também de permanecer sublime
Intrínseca e incólume
Na íris dos meus olhos

37 comentários:

  1. O lado concreto das ilusões - uma busca muito realista pelo tempo. Os seus fragmentos e o todo, cantado em versos. O tempo é a substância infinita da vida que nos foi ofertada. E você escreve bonito demais, as rimas moram contigo, assim como as flores em um jardim.

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso,Elcio!abração,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Poeta, não está fácil esse poema. rsrs

    Como não se perder na ilusão? Nas curvas da mente, que sente, inventa, cria...novos cenários, novas paisagens, novas emoções.

    "Melhor não subtrair dos poemas a palavra pedágio"

    E que eles, os poemas, sejam a ponte, entre o real e o irreal, entre a ilusão e a concretude da vida....que ele seja a ida e a volta, a ponte com o nosso íntimo, sem se perder nas ilusões, nos anseios...mas que ele seja também o arco-íris dos nossos sonhos...colorindo o dia a dia.

    --------------------------------

    Élcio, seu poema diz muito mais que uma leitura assim possa apreender, compreender.

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Há uma viagem necessária no fazer poético. Amores, curvas, idas e vindas - ilusões...
    Por isto inventaram a poesia, para que pudéssemos continuar a sonhar.
    Sonhos possíveis ou não, importa versar, amigo verseiro.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. "Sendo assim, adormeço nos braços desse tal de anseio
    Que agora quase sem anseios
    Apenas acaricia, meio que sem jeito
    Os próprios seios da ilusão"

    Todo o poema é ótimo, mas esse trecho me chamou tanto a atenção... Palavras que me levaram pra longe e que me fizeram sentir coisas que guardo pra mim. Que lindo, Elcito!

    Deixa eu te dizer: eu já joguei a banana no lixooooooooooooooo! kkkkkkkkkkkkkkk Aff... que vergonha! rsrsrs
    E o lance da saia e daquela bagunça toda, foi num dia de doideira que a gente teve... até brincamos de "GHOST".. kkkkkkkkkkk
    Duas crianças! hihihi Minha mãe diz que não sabe quem é pior... rs.

    Beijos, querido!
    Ótimo fim de semana pra vc!

    ResponderExcluir
  6. ...taí uma das peripécias da
    dona ilusão.
    versar, poetar, divagar sobre
    a vida, e isso você faz tão bem!

    adoro...

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Concordo com a Paula, não está fácil este poema... mas, como não necessariamente o sentido e a lógica é o que importa fico com o se dá,"observo com cuidado os atalhos", o som das palavras, frases para "redobrar a atenção",e, quem sabe, concluir que "efêmeras primaveras" não fazem "o tempo voltar", melhor é o agora, esse dia que se chama hoje. Enfim, voltar ao coração, onde se formam as utopias e compreender talvez "fragmento por fragmento"
    a ternura e o carinho que sempre se encontra no verseiro.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Ausências, atalhos, espelho, aprendizado,anseio, tempo, ontem, fragmentos, a vida é uma escola constante.
    O ontem é passado, amanhã é o futuro e o hoje é uma dádiva, por isso é chamado presente.
    Vamos viver a vida, versar, amar, e ser feliz.
    Lindo dia pra ti!
    Bj

    ResponderExcluir
  9. Assim é, a vida é uma ilusão que fantasiamos, por vezes me pergunto se nos próprios não somos ilusões projecções do universo, ainda assim é bom que ao fim de alguma caminhada nos questionemos sobre vários factos passados, sobre o presente e o futuro se existir, no fundo somos um pouco de corpo que esta em aprendizado para a elevação da alma.
    beijitos

    ResponderExcluir
  10. Elcio,
    Parabéns,achei sublime,o verdadeiro Elo que constrói uma realidade,pois tudo na vida é mutável.
    Luz em tua vida,
    Mari

    ResponderExcluir
  11. Sensacional! Gostei muito do texto.



    abraços


    Hugo

    ResponderExcluir
  12. Admirável e Fabuloso Amigo:
    "...Só resta agora compreender e abraçar a verdade
    Juntando e colando com muita calma os estilhaços na alma
    Dentro do leito onde se forjaram as utopias de ontem
    Assim, lentamente, fragmento por fragmento
    Com todo o carinho e a ternura
    Que há também de permanecer sublime
    Intrínseca e incólume
    Na íris dos meus olhos..."

    Simplesmente, brilhante. Lindo.
    Tem uma sensibilidade gigantesca de percepcionar onde estão os erros humanos.
    Parabéns pela beleza e pureza que coloca nos seus Posts de sonho.
    Abraço amigo de respeito, estima e admiração.

    pena

    Adorei.
    MUITO OBRIGADO pela sua amizade.
    Bem-Haja, precioso amigo.
    ENCANTA, tudo o que sai da sua fabulosa escrita.

    ResponderExcluir
  13. "Assim, observando e absorvendo do tempo
    Esse tempo que sem tempo, fez o tempo não voltar
    Só resta agora compreender e abraçar a verdade
    Juntando e colando com muita calma os estilhaços na alma
    Dentro do leito onde se forjaram as utopias de ontem"

    Nossa. Há tanta, tanta coisa para dizer sobre isso que disseste. Leio e leio outra vez, e nem sei por onde começar. Não podia ter sido dito de melhor maneira. As imagens que me vêm aos olhos são simplesmente fantástica, e doídas ao mesmo tempo.

    Gostei imenso, uma vez mais.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. Lindíssimo************************

    *Assim, observando e absorvendo do tempo
    Esse tempo que sem tempo, fez o tempo não voltar
    Só resta agora compreender e abraçar a verdade*

    Adorei, porque não é fácil mesmo.

    Blogueiros + blogueiros + blogueiros****************************

    Compreensão + verdade, chega-se lá*********************
    Trouxe-lhe o post. Elcio, amigo, você mora no meu coração*******************

    NÃO, NÃO ME LAMENTO DE NADA
    Michel Vaucaire

    Não, nem um pouco
    Não, não me lamento de nada
    Nem do bem que me fizeram
    Nem do mal, nada disso me importa

    Não, nem um pouco
    Não, não me lamento de nada
    Tudo foi pago, varrido, esquecido,
    Não me importa o passado

    Com as minhas lembranças,
    Acendi o fogo
    Minhas dores, meus prazeres
    Já não preciso deles

    Foram varridos os amores
    Com os seus tremores
    Foram varridos para sempre
    Recomeço do zero

    Não, nem um pouco
    Não, não me lamento de nada
    Nem do bem que me fizeram
    Nem do mal, nada disso me importa

    Não, nem um pouco
    Não, não me lamento de nada
    Pois a minha vida, o meu regozijo
    Hoje
    Começam contigo*
    Trad. pela Renata

    Beijos*
    Obrigada.
    Até já

    ResponderExcluir
  15. ...juntar e colar com muita calma os estilhaços na alma...

    (!!!!!!!!!!!!!!)

    ...Acho que esse verso arrematou com chave de ouro, todo o belo conjunto de seu poema, Elcio.

    Parabéns!!!
    Que lindas suas palavras!
    Que lindo você, obrigada pela gentil visita.

    Um ótimo finde tb e beijo em alma...

    ResponderExcluir
  16. Elcio...muito obrigado pelas suas palavras lá no janelas...
    vc é VERSEIRO de primeira hein!
    um abraço e um bom fim de semana !!

    ResponderExcluir
  17. Verseiro de versos singulares...Gosto daqui. Lugar onde a poesia escorre e se instala no coração...Bjs.

    ResponderExcluir
  18. O concreto das ilusões é a força perdida no desenrolar nada verdadeiro no passar dos dias, ou algo assim... ou não!

    --------------------------

    Elcio, lá no "Fora do Comum" não colocamos essa opção de comentários. Decidimos que lá será pra relaxar mesmo e pra ser espiado e comentado no Néctar.

    abraço e até mais.

    Jota Cê

    ResponderExcluir
  19. Adorei o poema! =)
    E senti saudades....
    Beijos Tempestuosos!

    ResponderExcluir
  20. Elcito!
    Estava aqui na net procurando uns templates e achei um que me fez lembrar do Verseiro. Achei uma graça!
    Não estou sugestionando pra vc mudar nada, adoro seu blog. Só quis mostrar mesmo... rs

    Beijos!

    Tá aqui, ó:

    http://btemplates.com/2010/02/08/magic-tree-2/

    ResponderExcluir
  21. Olá Poeta...
    pelo visto não sou somente eu quem anda mergulhando num mar de emoções...rsrss
    Intensas palavras em ondas de muito sentimento eu encontrei aqui.

    Esses dias não tenho me sentido muito bem, acho que é o calor. Minha vida vai se tornar uma correria nessa semana por causa do estágio para a faculdade. Tenho que estar 100%.

    Desejo para você uma semana maravilhosa, com muitas surpresas boas.

    Um beijo carinhoso

    ResponderExcluir
  22. Quem me dera extrair o concreto dos meus caminhos abstratos, e os caminhos concretos, eu, quem dera, me abstrair. Abçs.

    ResponderExcluir
  23. Querido amigo,
    O mês de fevereiro tem sido uma luta para mim, e o corre-corre não está me deixando vir aqui com a frequência desejada, mas quando tudo se normalizar no mês de março virei com a alegria costumeira a ler e ver todas as novidades por aqui.
    Beijos, flores e muitos sorrisos... sempre!

    ResponderExcluir
  24. Elcio,

    suas palavras tão ansiosas, em busca da solidez do etéreo... bailam na tela e encantam completamente.

    ainda fico com as margens azuis...

    beijo grande... e parabéns !!!!

    ResponderExcluir
  25. Amigo poeta...

    voltei!

    Vc me pediu para dizer qual blog meu deveria seguir...

    pois bem, a resposta está aqui: que tal comemorar comigo a alegria de já possuir 100 (cem) seguidores amigos e parabenizar a homenageada?

    http://botoesmadreperola.blogspot.com

    Beijos,
    te espero!

    ResponderExcluir
  26. Querido Élcio,

    "Intrínseca e incólume
    Na íris dos meus olhos"...

    Que lindo isto...

    TEnha uma linda semana!

    Beijos carinhosos!

    Bia

    ResponderExcluir
  27. Nossa que lindos versos, Élcio!

    "Que estou tentando aceitar as paisagens
    Reconstruindo o cotidiano na menina dos olhos
    E avaliando o peso das ausências"

    Adorei esta parte, tanto que tive que destacar, pra ler mais uma vez e me deleitar no significado... Acho que ando mesmo avaliando o peso das ausências, e através dessa solidão que ando sentindo, talvez eu possa construir algo sólido, alguma coisa que fique entre a beleza do fim do dia e a magia do amanhecer. É isso que eu quero!

    Adorei vir aqui e ler seu post.

    Beijos, querido!
    Lindo dia pra ti.

    ResponderExcluir
  28. Oi...

    que lindo seu poema da Prima Vera...

    que linda sua presença lá na comemoração (singela, mas autêntica!)

    Élcio, obrigada, viu?

    Vc já se tornou, em pouquíssimo tempo(!), aquela pessoa que quando vejo seu nome no painel do blog ou nos coments por aí, o coração bate forte...

    Logo vou postar teu poema, aguarde...

    E os Botões são sim, um Blog-Projeto Educacional, conforme vc viu e acertou!
    Mais uma vez, muito grata.

    Um abraço, querido!
    Mil beijos de carinho...

    ResponderExcluir
  29. Caro amigo.

    Chega uma hora da nossa vida,
    que muitas pessoas que amamos se preparam para partir.

    "E avaliando o peso das ausências
    Que num futuro bem próximo..."

    Só resta sabendo desta partida, cuidar e aproveitar a vida, que corre e que nos leva.

    Semana de paz para ti.

    ResponderExcluir
  30. Maravilhoso e autêntico, sempre, Élcio.
    A beleza do que escreves é imensa e POESIA não precisa de explicação!
    Um beijo enorme desta amiga que te admira muito.

    ResponderExcluir
  31. Élcio...
    esse seu texto é perfeito ....

    " O lado concreto das ilusões

    São tão abstratos os caminhos
    Que estou tentando aceitar as paisagens
    Reconstruindo o cotidiano na menina dos olhos "

    Ha tanto que a vida nos impinge
    tantos sentimentos que vamos suprimindo ao longo...
    Adorei seu texto,
    bateu na alma com calma.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  32. Vim deixar bjins e minha provocação...
    " Mas só percebe
    quem aceita a
    pro-
    vo-
    ca-
    ção...

    Catiaho/ Reflexo d' Alma entre delírios e delírios

    ResponderExcluir
  33. Élcio vim um pouco semear umas coisas! Impossível mesmo deixar de admitir que há certos caminhos abstratos em que só nos resta aceitar as paisagens e não reclamar dos pedágios.
    E as ausências sim, as vezes, pesam mais que nossa própria presença. E é assim que precisamos prestar toda a atenção para não perder de vista que os atalhos simplificam as coisas; e até deixam mais fácil banir os "desnorteios".
    Achei profundo demais o que li aqui sobre também respeitar os reflexos do espelho... e essa coisa muito forte de admitir que a ilusão se vai, junto com um sem fim de efêmeras primaveras na hora de adormecer nos braços desse tal de anseio; que agora quase sem anseios, apenas acaricia, os próprios seios da ilusão...
    Que coisa forte. Profunda. Expressiva! E muito bonita!!!
    Esse poema é dos melhores que já li e senti aqui.
    Eu ficaria comentando cada palavra, cada frase. E agora ao comentar já me deu uma vontade tremenda de escrever alguma coisa para aproveitar o violento estímulo.
    Você diz muito!

    ResponderExcluir
  34. Elcio,amigo
    sabia que já corri atrás do Zeca Baleiro e dei um beijo nele?kkkkk
    sou fãaaaaaaaaaaaaaa, adoro Vapor Barato ,
    obrigada,pela presença e carinho, só respondi por e mail,
    pq parece um exagero,mas eu não resistikkkk
    Boas energias,entre um Sol e outro
    Mari
    passe se puder no meu 2ºblog,tem coletiva proposta pelo Blog fio de ariadne,participei participe se quiser será ate 07/03

    ResponderExcluir
  35. Élcio meu amigoooo,

    Me deparei com esse poema maravilhoso e pensei...quem sabe um dia eu consiga chegar perto de ser poeta..rs..

    Um abraço e ótima quinta feira.

    ResponderExcluir
  36. Então Poeta...
    Entre a realidade e todas as nossas utopias nós vamos vivendo... Saboreando da vida os mais variados momentos, sensações e sabores!
    Ando com uma saudade latente no peito que chega a doer na alma.
    Coisas da vida!

    Um beijo carinhoso

    ResponderExcluir

Semeando