domingo, 28 de fevereiro de 2010

BLOGAGEM COLETIVA - COMO TRANSFORMAR NOSSO PLANETA NUM MUNDO MELHOR

Olá pessoal, hoje é aniversário de um ano do blog da Andréia...o Devaneios do Cotidiano - http://andreia-devaneios.blogspot.com/

E para comemorarmos juntos esta data, fomos convidados a fazer uma postagem falando sobre como transformar o mundo se tivéssemos poder para cumprir esta dificil tarefa. Não encontrei o texto antigo onde falo sobre isso, portanto...tive que improvisar...

Vou deixar uma solução forjada em meus sonhos mais adolescentes, época em que eu era muito menos egoísta, época em que eu era muito mais solidário com as pessoas, não apenas em palavras, mas em atitudes. Pai...você foi um grande exemplo para mim nesse quesito...SOLIDARIEDADE...beijo.

Bem...então lá vai...

Receita de uma vacina para transformar o mundo (quantidade por pessoa)

Um litro de Madre Teresa de Calcutá – amor e solidariedade



Um litro de Mahatma Gandhi – perseverança e humildade



Um litro de Nelson Mandela – justiça social e coragem



Um litro de Che Guevara – endurecer, mas com ternura



Um litro de Chico Mendes – respeito à natureza



Mistura tudo...coloca num recipiente e começa a vacinar todos os bebês nascidos a partir de hoje, sendo que uma gota por dia é o necessário. Como para a nossa geração e para a geração de nossos filhos talvez não tenha mais jeito, melhor pensarmos no futuro, quem sabe os filhos das minhas filhas não possam crescer tomando esta vacina...rsrs...quem sabe?



Por fim, passa para essas crianças sempre que possível, um vídeo falando sobre a vida de Jesus Cristo e ponto final...

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Dentro e fora de mim



Dentro e fora de mim

Nestes últimos tempos
Não deixei vestígios sob os meus pés
Pois eles sequer pisavam o chão
Minhas mãos, essas sim, são suspeitas
E porque não dizer responsáveis
Já que propositadamente puxaram
O fio invisível
Deste novelo sem meio e sem fim
Aos olhos da trama e do drama
Que ainda se encontram
Dentro e fora de mim

Um abraço na alma, um beijo e um queijo salpicado com orégano..rs

sábado, 20 de fevereiro de 2010

O lado concreto das ilusões


O lado concreto das ilusões

São tão abstratos os caminhos
Que estou tentando aceitar as paisagens
Reconstruindo o cotidiano na menina dos olhos
E avaliando o peso das ausências
Que num futuro bem próximo
Poderão estar presentes no meu dia-a-dia
Portanto, melhor não esquecer e nem distorcer os fatos
Porque eles fazem parte desse todo
Melhor não subtrair dos poemas a palavra pedágio
Porque esta sim, define o valor e o tempo pela busca inalterada
Apenas redobro a atenção e observo com cuidado os atalhos
Para que eu possa dar um rumo a esse norte tão sem norte
Mesmo que mais adiante ele retorne novamente sem sentido
Porque o quase, apesar de quase sempre
Não merece realmente ser em vão
Pois há de se respeitar os reflexos do espelho
Já que nele uma das margens se abriu
E explícita, precipitou-se de tons azuis
Enquanto que a outra reflexiva
Refletiu-se nas imagens de seus sonhos mais concretos
Por isso, a ilusão se foi, conscientemente
Deixando um legado incomparável de aprendizados
E um sem fim de efêmeras primaveras
Sendo assim, adormeço nos braços desse tal de anseio
Que agora quase sem anseios
Apenas acaricia, meio que sem jeito
Os próprios seios da ilusão
Assim, observando e absorvendo do tempo
Esse tempo que sem tempo, fez o tempo não voltar
Só resta agora compreender e abraçar a verdade
Juntando e colando com muita calma os estilhaços na alma
Dentro do leito onde se forjaram as utopias de ontem
Assim, lentamente, fragmento por fragmento
Com todo o carinho e a ternura
Que há também de permanecer sublime
Intrínseca e incólume
Na íris dos meus olhos

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

DESNUDAR-SE



Recebi o mesmo e-mail dos amigos Éder e Tatiana com um vídeo fantástico da música “Stand by me”

Clique no link abaixo para apreciar!!!

http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=2539741

De início achei que fossem apenas artistas de rua dos EUA, mas depois vi que eram de todas as partes do mundo, inclusive tinha um do Brasil.

Na hora deu vontade de escrever sobre eles e assim o fiz.
Depois empolgado enviei o que havia escrito para os dois...a Tatiana acabou interagindo, enviando mais estrofes para o poema e de repente estávamos com a homenagem pronta...alguns já devem ter visto no blog dela.
Bem...e foi assim, vapt e vupt...rsrs
Muito legal e gratificante o resultado final.

Ontem procurando imagens para postar, acabei encontrando este site, o que me deixou ainda mais empolgado...vale a pena dar uma olhada...

Artistas de rua - http://artistaderua.com/o_projeto/

Valeu Eder...valeu Tatiana...se tiverem mais vídeos assim inspiradores...pode mandar...rsrs...valeuuuuuu


Desnudar-se

Não fascinante
Seria o dom do artista
Se ao desnudar-se poesia
Dom mais puro de tua alma
Escondesse em versos ricos
Tua face, teu sorriso
Teus receios

Não fascinante
Seria o tom do artista
Se ao desnudar-se música
Tom mais límpido de teu cerne
Desafinasse em semitons
Tua vida, teu encanto
Teus anseios



Tão fascinante
É a clareza do artista
Que ao despertar-se palavra
Eco mais puro de tua arte
Encanta-nos com teu pensar
Com tua essência, teu senso
E teus versos

Tão fascinante
É a magia do artista
Que ao descobrir-se imagem
Reflexo de teu imaginário
Envolve-nos com tuas cores
Com tua nuance, teu cenário
E teus traços



Mais fascinante ainda
É a sincronia dos artistas
Que ao conceberem-se sintonia
Coral divino e orquestrado
Emitem aos nossos corações
Toda a luz e o paraíso em harmonia
Através do som, da imagem
E da escrita que aflora da alma

Elcio Tuiribepi, Tatiana Moreira e Eder também...rs


terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

O diário de uma leitura não silenciosa



Quando a amiga Letícia, do blog Afeto Literário me presenteou com este livro eu estava ainda enrolado com os compromissos da faculdade, portanto, fui lendo aos poucos, sentado na pracinha da cidade onde trabalho antes de iniciar meu expediente. Eu ia lendo em voz alta e sentia que estava sendo observado, pois observava também a reação das pessoas...rsrs

Foi interessante a experiência,tão interessante que deu vontade de escrever no momento em que eu estava lendo...

Bem...eu e Letícia não estamos sempre um no blog do outro, mas o respeito, a admiração e o carinho são recíprocos.

Obrigado Letícia,quando sair meu segundo livro prometo retribuir a gentileza...

Sucesso com seu livro e felicidades em sua vida profissional e pessoal...

Um abraço na alma...bjo...valeu...obrigado.

Quem quiser conhecer...http://leticiapalmeira.blogspot.com


O diário de uma leitura não silenciosa

Era de manhã bem cedinho
Quando a página de número vinte e cinco
Resolveu narrar os segredos da mulher ingênua
Que engolia dragões para reflorestar seu útero
Enquanto que a meu lado, um casal de idosos
Ouvia disfarçadamente as palavras inéditas
Que ora iam sendo proferidas
Por este que agora vos fala...
É que a prosa prosseguia toda prosa e ainda em voz alta
Dando vida neste instante ao escrito da página vinte e sete
Ao significar com preciosismo, a Balada do Allegro Suicida
Que embalada, embalava minhas cordas vocais
Tanto que até cogitei beber um suco de laranja
Para suavizar a sequidão da garganta
Pois o Sol, sem parcimônia, nos concedia seus raios matinais
Clareando o dia e também as minhas idéias
Por isso, eu precisava com urgência de algo para poder escrever
Já que eu desejava anotar as idéias que me nasciam
Portanto, marquei cuidadosamente as páginas que falavam sobre os anjos e os poetas, bélicos e famintos
Com a bucólica ajuda de uma folha solidária, que solitária, caíra da amendoeira
E então parti, passos largos, em busca da minha urgência
Mas e o papel? Indaquei...
Ah...creio que não será mais preciso...pensei sorrindo
A contra-capa, contracenaria contrariada
Confabulando com as fábulas cotidianas
Que se abraçavam à enigmática gramática da Palmeira
Sendo assim, as palavras continuariam mergulhando secas na minha sede
E embriagando-me com suas trajetórias reais e ilusórias
Ainda bem que me chegou o açúcar
Já que havia passado da hora de fazer agonizar o gelo
Na cumplicidade ainda inalterada do puro suco da laranja
Por isso é bom saber da gente, tão além da gente mesmo
Tão além, mas tão além, que usei o lápis ao invés da colher
Corrompendo a ordem natural das coisas
De tal maneira, que sorri meio sem jeito
Diante a minha incorrigível distração
Mas não é que assim, quebrei de forma quase culta
As etiquetas e os costumes...
Fazer o quê? Azar o da colher
Que obsoleta em cima da mesa
Não soube interagir, com a essência cítrica dos meus sentimentos
Já que nem todo verso é poesia
Como ela mesmo cita em uma de suas prosas
E ponto final...com reticências é claro...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010



Galera...ando enrolado...rsrs...mas apareço...vamos ao que interessa...ou não, como já diria Caetano Veloso...rsrs

Em novembro e início de dezembro, por causa das provas e do TCC, eu apenas ficava a observar os textos, os poemas e os comentários.
Sempre faço isso, gosto de saber a posição de cada um dentro de um mesmo assunto, a forma de interagir...enfim...
Num desses dias, por coincidência, uns cinco ou seis blogs falavam sobre o mesmo assunto: sobre as palavras.
E embora cada qual, com sua visão particular, tenha esmiuçado a palavra com suas próprias palavras, ficou claro o poder e o carisma da mesma na blogosfera, desde que discorridas com respeito, carinho, empatia, humildade e principalmente delicadeza no trato com as pessoas.
Palavras se vão ao vento, é uma verdade verdadeira...rsrs, mas, quando dita com bons sentimentos, cria raiz, traz bons frutos e boas colheitas.
O fruto mais degustado dessa árvore chamada blogosfera pelo que pude ver, tem vários nomes:
AMIZADE, CARINHO, TERNURA, EMPATIA, SOLIDARIEDADE, SENSIBILIDADE, SONHO, ESPERANÇA, PERSEVERANÇA, AFETO E MUITAS OUTRAS.
E tudo isso é manifestado por intermédio de quem?
Das palavras...é claro...
Sendo assim, nasceu este poeminha...rs

No tempo das delicadezas

Quanto vale uma palavra
Junto a um enorme e inexplicável bem-querer
Com certeza, o valor é imensurável
Sendo assim
O estoque na despensa
É ilimitado...
E ainda por cima
Indefinido...
Já que ela,
A palavra
Quando imbuída deste sentimento
É capaz de adulterar
O tempo e o modo
Da gravidez sentimental

Um abraço na alma de cada palavra que por aqui passa...um beijo e dois queijos molhados num café com leite...rs...sem banana prata é claro...rs...
Valeu galeraaaaaaaaaaaaaaaa...