segunda-feira, 14 de março de 2011

BLOGAGEM COLETIVA PROPOSTA PELO BLOG ESPIRITUAL-IDADE - FASES DA VIDA




PRIMEIRA FASE – NASCIMENTO

Eu nasci em 1964, mas precisamente  no dia 21 de maio, época da revolução, início da ditadura que teve seu nascimento registrado  no dia primeiro de abril, sugestiva data, diga-se de passagem.  

Ainda faltavam alguns dias para que eu desse as caras nesse nosso mundão ...não sei, mas até hoje me identifico por demais com esta época da nossa história .

Continuando...eu iria me chamar Eder, nome do meu irmão que faleceu, mas de última hora resolveram fazer a junção do nome de minha mãe com o nome do meu pai...Elza e Accácio, então ficou assim: El de mamãe e Cio de papai...rs...um pouco constrangedor esse cio de papai, mas é a verdade...rs

Nasci imenso, pesava dois quilos e quase cem gramas, um gigante. Meus irmãos nessa época tinham verdadeiro amor por mim, colocavam pedras por baixo do lençol do meu berço e referiam-se a minha pessoa como “O Reizinho da Casa”...rs...ciúme puro como vocês podem constatar...rs

Minha mãe com os seios empedrados fez brotar em mim uma fixação por seios, pois tive treze mães de leite, é sério, podem perguntar pra Dona Elza. Eram mães com as mais variadas formas, raças, gostos e colostros, não sei como não enjoei, pelo contrário...adoro café com leite...rs

Para completar eu era tão miúdo que minha avó me aquecia dentro de seus fartos seios, assim, quase que totalmente dentro do decote de seu vestido. Pelo que vocês podem observar, a minha relação com os seios continuava. Fazer o que?

Dois meses depois, graças a essa abundância desmedida de lactose, engordei 300 gramas e cresci meio centímetro, mas mesmo assim minha saudosa avó Elza, ainda escondia minha canela super gorda com seu polegar e para minha vergonha, confesso, colocava em meus pés meias de boneca ( por favor, não espalhem isso na blogosfera ok )
A minha maior vantagem sempre foi herdar as roupas de meus irmãos, meu pai economizava e como eu nunca reclamava, esta situação foi se sucedendo por muitos e muitos anos.

Portanto, três coisas nunca me foram ausentes: Calor humano, roupas e seios, evidentemente...rs

Muitos anos depois tive a oportunidade de retribuir o carinho das minhas treze mães de leite.
Por obra do destino minha falecida prima Diva, por algum motivo não tinha leite e fiquei encarregado de fazer a coleta nas casas em que minha priminha Renata (hoje uma médica) havia sido agraciada com a bondade de outras mães que se solidarizaram. Eu passava com uma bolsa recolhendo os potinhos com o leite e levava até a casa de minha prima o mais rápido possível.

Existem coisas na vida que realmente não tem preço e que só são pagas dessa maneira.


Obrigado Rosélia pela oportunidade.

Um abraço e um beijo na alma de todos
Boa semana....


31 comentários:

  1. Olá, estimado Élcio
    Meu desejo de hoje é que uma chuva de bênçãos seja derramada sobre VC e outra chuva de pétalas de rosas orvalhadas...

    Bem, vc, como smepre, toca em Temas relacionados ao que descreveu com categoria de quem sabe do que está falando...
    (foi ótimo pra descontrair também... porque a emoção daqui do outro lado da telinha está fortíssima)...
    Fui "ama de leite" também tanto no segundo quanto na terceira... é maravilhosa a sensação de fartura... ao mesmo tempo de partilha... coisa que sempre apreciei...
    O "vovô" (meu pai) colaborou presenteando-me uma caixa de malzibier... comi cangica a valer e a tradicional sopa de galinha caipira...
    Já meu nome tem duas vertentes:
    1.junção de 2 nomes também: Álvaro e Zélia = Ro selia... isso me disseram meus próprios tios corujas que iam se casar na época...
    2.nome de uma ex namorada do meu pai... (a mais provável)...
    Vc usou de um espírto alegre para falar de um Tema atual que é a amamentação tão importante nos dias de hoje...
    Parabéns e obrigado digo eu por ter um homem em nossa coletiva (coisa rara)...

    Carinhos fraternos em forma de orvalho sôbre pétalas de rosas...

    Uma santa e abençoada Quaresma para VC.
    Bjs natalícios

    ResponderExcluir
  2. Oi, Élcio:
    Que linda história, belo nascimento. Bela relação com os seios...hehe!! História de vida, de amor e de solidariedade, parabéns!! Amei a sua participação, obrigada pela partilha. Uma linda semana para você também, beijos :)

    ResponderExcluir
  3. Elcio
    Quando a situação é muito dura a gente tem dois caminhos ou melancoliza ou afina o humor. Você escolheu o segundo caminho. O dos espíritos mais alegres e inteligentes.
    Que a vida lhe seja farta no que aprecia..rs
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Muito legal tua postagem e teu nascimento...Linda participação! abraços,chica

    ResponderExcluir
  5. Élcio quase Eder (rssss...), sua história é linda, gostosa de ser lida. Então o bezerrão gostava de mamar. Saiba que o Eder é do mesmo ano seu e ia se chamar Edson como seu pai, mas como começaram a chamá-lo de Juninho, o seu pai resolveu de última hora nomeá-lo Eder, devido o boxeador de mesmo nome, e por ironia do destino, o seu avô só o chamava de Pelé e assim é conhecido na Bahia, na sua cidade natal. Sabe Élcio, cada um de nós tem uma história e sabê-la contar não é para todos. Parabéns. Deixo o meu afeto.

    ResponderExcluir
  6. Que bom Amigo Elcio que três coisas nunca foram ausentes: Calor humano, roupas e seios. rsrss. Pois todos eles nos acolhem e protegem!
    Com toda certeza fizeram de você o garoto-homem que é!
    Digo garoto pois através das suas palavras percebo a riqueza que somente o universo infantil encanta a alma.
    Ficou fantástica a sua participação... Bateu saudade do Espaço Aberto e tantas interações que me alegravam.
    Dias belos ao seu coração Poeta!
    Um forte abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  7. Um belezura de fartura. rsrs Aqui sempre é farto, de boas histórias, de motivos para se emocionar.

    Amamentei minha filha até um ano e quatro meses, uma experiência maravilhosa.

    Um linda história, que você soube contar com humor. beijo

    ResponderExcluir
  8. Olá, Ed..., ops, Elcio!
    Muito linda tua história, adorei o texto, a forma de contar. Parabéns.
    BHjssssss

    ResponderExcluir
  9. Élcio,
    Mais uma leitura que faço hoje sorrindo...
    Em nossa família teve uma história semelhante, quando, lamentavelmente minha cunhada veio a falecer no parto do segundo filho. Meu irmão recolhia o leite nas casas cujas mães se ofereceram para contribuir. Uma das mães até ficava uma parte do dia com meu sobrinho. Essas coisas não têm preço e você teve a oportunidade de retribuir o mesmo gesto. Muito legal!
    Bom dia pra você!

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito de ler seu texto Elcio!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Elcio,que beleza a história de seu nascimento!Adorei saber mais a seu respeito e sua familia!Bonita sua participação!Bjs,

    ResponderExcluir
  12. Excelente,poeta!
    ficou tão fã, que virou pai de leite,pudera 13 mães,isso é que é gostar de variar... rsrsrs,
    com certeza,daí o coração solidário,e como te digo sempre você é o cara!
    bjs
    Mari

    ResponderExcluir
  13. Elcio
    Que jeito delicioso voce teve de contar esta história verdadeira.
    Eu adorei . Estou indo na cozinha pegar um copo de leite apesar de não gostar.
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  14. Ola, Elcio, tanto calor humano no seu texto e a fechar com chave de ouro aquela foto tão bonita, aquela mãozinha gordinha... adorei a sua historia e a forma como a contou!Vou ficar seguidora, e com certeza voltarei!
    Bjos, de Portugal

    ResponderExcluir
  15. Élcio,

    Acabei de vir do blog da Rose, que foi mãe de leite.
    Sua história é linda. 13 mães de leite, que bacana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Elcio,
    que fantástica sua história, dei risada a todo o tempo. Seu humor é precioso. Que máximo!Concluindo pela historia...tá fora de hipotese leite de soja, certo? rssss

    13 mães de leite é obra! Dáva até um livro, sobre seios femininos e partilha de amamentação (especialmente se vc fosse um fotografo profissional). Já viu o que era um livro só de seios, de vários tamanhos, várias etnias...Best Seller, concerteza! Bom, parece que esta blogagem foi feita à sua medida. Muito boa sua participação. Um texto imensamente agradável.

    Cá em Portugal não se ouve falar de mães de leite, mas estou começando a entender que no Brasil é trivial. Que interessante!
    Generosa partilha de conhecimento que se faz presente na Colectiva.
    Sou muito grata,
    Abraço além-mar,
    Rute

    ResponderExcluir
  17. Regresar a tu casa, es todo un lujo...
    Un abrazo fuerte!!!

    ResponderExcluir
  18. Elcio,
    Fiquei enternecida com, não só com a sua história, mas muito mais com a forma como a descreve: a um tempo com ternura a outro com delicadeza de um humor sereno e fantástico.
    Uma "mãe de leite", seria o normal duas...mas treze é quase um número mágico!
    O resto não sei(...) mas calor humano sim! Está reflectido na forma como escreve, como sente,de uma forma encatadora...branda!
    Abraço
    manuela

    ResponderExcluir
  19. Você é poético até ao contar a simples história do início da sua vida!Isso que eu digo ser poeta!!
    Felicidades!

    ResponderExcluir
  20. Oi Elcio!
    Gostei muito da sua participação, muito bom conhecê-lo mais um pouco!
    Beijos...

    ResponderExcluir
  21. Elcio!! Aí, agora quando fui escrever seu nome, lembrei da contribuição do seu papito! (rs*) Gostei da forma humorada que contou sobre os seus primeiros dias! Que você continue a ter sempre em sua vida: Calor humano, roupas e seios! Beijus,

    ResponderExcluir
  22. Fala Elcio, aqui é o Marquinho, fiz este blog.. me visita lá, favorita e me segue.. já virei seu seguidor aqui..
    abraços

    ResponderExcluir
  23. Elcio
    Muito prazer. Estou chegando(bem atrasadinha) através da Blogagem Coletiva da qual também estou participando.
    AHAHAHAH adorei a história e a sua forma de contar. Que bom que você escolheu o caminho do humor para a sua vida.
    um abraço

    ResponderExcluir
  24. Elcio...muito sugestivo sua história..hehehe
    Estou aqui pela blogagem coletiva, pois não teria conhecido seu blog, que diga de passagem é cheio de novidades...Abraço

    ResponderExcluir
  25. Eu adorei a sua história;seu tamanho,o Cio do seu pai...kkkkkkkkkkk...Quase morro de rir.A relãção com os seios...Tudo foi dez!!Relatado com inteligência e humor deu uma sacudidela na emotividade da coletiva que tb participo.Sigo-o com dor no queixo de rir pensando na meiakkkk...Bjsssssssssssss

    ResponderExcluir
  26. ...E porque as palavras andam arredias, digo somente, que é linda a tua história, que é perfeito o teu rabiscar... Deixo beijo de carinho imenso.

    ResponderExcluir
  27. Adorei ler ...cheguei em boa hora para bem lhe conhecer bjs querido amigo verseiro

    ResponderExcluir
  28. Oi Élcio, excelente texto e hoje descubro seu lado bem humorado, como é agradável isso.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  29. Oi Élcio que participação linda a sua. E mesmo fazendo graça de alguns momentos pude perceber em suas palavras tanto carinho.
    Que seu caminhar seja repleto de carinho e de alegrias, pois tenho certeza de que foi assim que você foi recebido nesse mundão.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  30. Elcio, muito legal esse seu contar, como Rosélia denominou de alegre. Sim, vc tem um jeito muito despojado e alegre. Gosto disso! Parabéns pelo post! Meu abraço!

    ResponderExcluir
  31. Interessante a sua forma de esconder emoção na graça...
    Gostei...

    ResponderExcluir

Semeando