terça-feira, 3 de maio de 2011

O VELHO FRANCISCO

Olá pessoal...no natal ganhei de um amigo um livro que fala sobre as músicas do Chico, na verdade ele me presenteou para que eu devolvesse o que ele havia me emprestado...rsrs...

Resolvi a partir de hoje postar algumas letras para que a gente possa interagir, cada um explicitando aqui o que entendeu da letra ou de algumas expressões usadas por ele ou como acham que surgiu a idéia ...fiquem a vontade para interagir...quem quiser e puder é claro...sei que o tempo as vezes é curto e a postagem ficou grande...

Bom...como qualquer artista, Chico não tem as chaves de sua criação. Quando fez a letra de João e Maria, de Sivuca por exemplo, não entendeu o que ele mesmo tinha querido dizer com o verso "e o meu cavalo só falava inglês"; levou o enigma a Francis Hime, que arriscou: "Eu acho que é um cavalo muito educado." São imponderáveis, também, as circunstâncias em que brota uma canção. "Cotidiano" veio debaixo do chuveiro - a idéia, por sorte, não escapou pelo ralo, como freqüentemente acontece se não é anotada na hora.

Comigo acontece meio que assim, se eu não anotar....fu...tricou tudo...


Para começar deixo a letra da música O VELHO FRANCISCO, mas não vale pesquisar hein!! rsrs...assim a diversidade de opiniões será melhor aproveitada por todos nós...

Um abraço na alma...desejo paz, harmonia, equilibrio e muita saúde é claro para todos nós...sempre

Beijão galera...obrigado aos que ainda pasam por aqui...aos poucos vou retribuindo a visita de todos ok

Valeuuuuuuuuuuuuuu!!!!

O Velho Francisco

Já gozei de boa vida
Tinha até meu bangalô
Cobertor, comida
Roupa lavada
Vida veio e me levou

Fui eu mesmo alforriado
Pela mão do Imperador
Tive terra, arado
Cavalo e brida
Vida veio e me levou

Hoje é dia de visita
Vem aí meu grande amor
Ela vem toda de brinco, vem
Todo domingo
Tem cheiro de flor

Quem me vê, vê nem bagaço
Do que viu quem me enfrentou
Campeão do mundo
Em queda de braço
Vida veio e me levou

Li jornal, bula e prefácio
Que aprendi sem professor
Freqüentei palácio
Sem fazer feio
Vida veio e me levou

Hoje é dia de visita
Vem aí meu grande amor
Ela vem toda de brinco, vem
Todo domingo
Tem cheiro de flor

Eu gerei dezoito filhas
Me tornei navegador
Vice-rei das ilhas
Da Caraíba
Vida veio e me levou

Fechei negócio da China
Desbravei o interior
Possuí mina
De prata, jazida
Vida veio e me levou

Hoje é dia de visita
Vem aí meu grande amor
Hoje não deram almoço, né
Acho que o moço até
Nem me lavou

Acho que fui deputado
Acho que tudo acabou
Quase que
Já não me lembro de nada
Vida veio e me levou




16 comentários:

  1. Agora sim, de volta e com o Velho Chico!Eita que essa sua proposta é inquietante... calma que me falta inspiração...logo volto !
    Grande abraço e n suma, deixe isso por minha conta! ;)

    ResponderExcluir
  2. Oi...
    Obrigada pela visita e comentário interativo! Não esperava outra atitude sua que não fosse essa. Acho que o conheço pelo menos um pouco. Tendo em vista os nossos anos de amizade!

    Quanto a música... Confesso, eu não conhecia... Mas na hora que ouvi a primeira coisa que passou por minha cabeça foi o Rio São Francisco e toda a sua história. :)

    Também desejo paz, harmonia, equilíbrio e muita saúde para você e todos os seus.
    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  3. Ah Elcio,
    vc sabe que pra mim é quase impossível já não ter pesquisado, primeiro pq gosto muito desta musica, segundo fala sobre história do Brasil através das agruras de um ex-escravo, alforriado "pela mão do imperador", e terceiro o Chico escreveu um ótimo livro baseado nesta música: Leite derramado(muito bom!!!!!!).
    Fiz um post sobre o assunto em 2009:
    http://vivereafinaroinstrumento.blogspot.com/2009/09/normal-0-21-false-false-false_14.html

    Espero não ter falado demais, coisa quase impossivel pra mim quando o assunto é música!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Elcio,

    Me parece ser a historia de um escravo alforriado que se deu bem na vida e hoje, já velho, vive em um asilo a tentar recordar coisas de sua vida já embaralhadas pela demencia.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Que "petáculo"!,isso é bom D+!!!!
    Com esse tema,peço-lhe licença,pra me empolgar ;P...
    O velho Francisco, atuando como um tipo de espelho por meio do qual é
    possível assistir à arbitragem caprichosa da “vida”, que tudo leva,
    implacavelmente.O texto verbal ,é o mais extenso, possui dez estrofes de cinco versos,
    totalizando cinquenta versos que narram as desventuras de um suposto Francisco,
    personagem que conta, em primeira pessoa, os caprichos que a “vida” lhe confiou.
    Um curioso acontecimento que deflagrou o processo criativo da canção
    é revelado pelo pesquisador Humberto Werneck (2006, p.105):
    “O velho Francisco” nasceu de um sonho [tido pelo próprio Chico
    Buarque] com uma preta velha que contava uma história num fundo
    de cozinha e pedia com a voz cava e arrastada: "Fecha a porta!
    Fecha a porta!". A preta velha sumiu no processo, mas o clima do
    sonho marcou a canção.
    Tratando-se do genial Chico tudo é possível..
    Falar de “MPBoa”,é um convite pra ficarmos no Boteco do Lufe,até a próxima ,e saborosa postagem!Adorei!
    Beijo
    Mari

    ResponderExcluir
  6. Passe lá no meu blog.
    Se gostar, me siga.
    Felicidades, saúde
    e alegrias duradouras, hoje e sempre. Já estou te seguindo.
    Mega abraço iluminado.
    João
    www.ludugero.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Fiquei sem palavras...rsrs
    Gostei da idéia.
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá Elcio,
    vim parabenizá-lo pela parceria com o amigo Veloso. Acabei de ver as tirinhas e ficaram demais! O personagem é muito divertido.

    Grande abraço, saúde e muita paz!

    ResponderExcluir
  9. Confesso, essa eu nao conhecia.
    Hummm... que dificil explicar, desvendar, destrinchar, dissecar CHICO!!!
    Posso passar e dizer apenas que amei mais essa???

    Beijosss

    ResponderExcluir
  10. Élcio, acho que o Chico quis transmitir o cansaço do trabalhador que só encontra sossego nos braços da amada. Deixo o meu afeto.

    ResponderExcluir
  11. Elcio,eu conheço essa musica,mas confesso que pensava que era apenas a vida de um velho Chico relembrando seu passado e que se encontra numa prisão.Não sabia que se tratava de um escravo.Adorei seu post,o video,a proposta e tb as tirinhas no blog do Veloso!Bjs,

    ResponderExcluir
  12. Oi Elcio,

    A sua ideia é genial!
    Interativa mesmo!
    Mas..depois do que foi dito....rs fica difícil acrescentar!
    Mas penso que se trata da vida ainda sentida na bruma dos tempos da era triste da escravatura...!
    Ah! E poetrix???
    Vá lá!
    Abraço
    Manu

    ResponderExcluir
  13. Minha interpretação é que foi alguém que morreu, e relembra a vida, sofrida e de conquista, mas a morte veio e o alforriou.

    Foi alforriado pela morte, e o Imperador (Deus) foi quem o alforriou. Nesta visão de morte, então vejo a amada que leva flores e vai visitá-lo no cemitério.

    E quando fala de deputado, é como se dissesse, se foi ou não, não importa, pobre ou rico, a vida (morte) vem e leva.

    Não conhecia esta música. beijo

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Elcio
    Demorei pra chegar até aqui porque estamos em fase de restabelecimento, mamae e minha tia rosa e eu no meio pra poder dar remedio e sair andando atras das duas.

    Eu adoro o Chico Buarque.
    EStudei portugues na oitava serie através de suas musicas. Minha professora era espetacular.
    Era pra saber tudo mas ficava enplogada demais em ouvi-lo.
    E agora o meu sonho é encontra-lo no Rio pois minha irmã mora no mesmo bairro dele.
    Mas será que vou ter esta sorte?
    Continue vou ficar aqui babando.
    com carinho Monica

    ResponderExcluir

Semeando