quinta-feira, 22 de setembro de 2011

RABISCOS INALTERADOS







Reescrevo a cada verso
Uma verdade intransigente
Sou quase cético e urgente
Até mesmo quando eu minto
Porque não há como evitar
A clareza do fechar os olhos
Quando estou a me equilibrar
Na corda bamba do meu âmago
É que neste instante inacabado
Meus versos saem do poema
Buscam a terra e não as nuvens
Porque eu prefiro o claro, é claro
Mesmo que este seja um tanto escuro
Já que nem sempre me chega iluminado
Com a clarividência que eu gostaria
Talvez porque também eu não o tenha
Tão assim mais cristalino e florescente
Feito as coisas boas, simples e cotidianas
Que por vezes me habitam normalmente
Já o canto surdo-mudo da canção, não duvidem
É um sei lá catando o vento na esquina
É um sei não absorvendo a adrenalina
Por isso leio os jornais e me aborreço
Com o sangue coagulado das notícias
Mortes, acidentes e a pensão não vitalícia
Fazer o que? Melhor pular as redundâncias
Ouvi dizer que eles estão em recesso
E que o congresso esta semana nem abriu
Logo, deu vontade de mandá-los para Marte
Mas mandei mesmo para a puta que pariu
Hoje em mim é feriado e já nem sei
O que vou achar no outro lado do espelho
Já que inocentemente ainda insisto
Em não querer saber dos meus conselhos
Ainda bem que o Sol se levantou disposto
E me aqueceu com sua loucura já prevista
Melhor escancarar as portas e as janelas
Porque para ver além dos meus limites
Muito além do que os meus olhos podem ver
Basta que eu sinta a semeadura em meus poros
Amealhando os instantes mais profícuos e legíveis
Para que assim eu me deixe naturalmente emprenhar
Pela essência mais pura da minh’alma

Elcio Tuiribepi

13 comentários:

  1. Élcio, não me cabe escrever nenhum comentário, mas apenas aplaudir. Parabéns cara. Abçs.

    ResponderExcluir
  2. "Ainda bem que o Sol se levantou disposto
    E me aqueceu com sua loucura já prevista
    Melhor escancarar as portas e as janelas"..
    Ao ler sua alma exposta,sinto um orgulho imensurável,sobretudo,por compartilhar vivências,obrigada!
    Um abraço urso panda grgrgrgr cheiinho de boas energias!
    Mari

    ResponderExcluir
  3. Nossa, amigo, como seu blogue está bonito. Vim matar a saudade e deixar um abraço. Como sempre você se vai em caminhos de muita inspiração, música e poesia.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Élcio
    "Quando estou a me equilibrar
    Na corda bamba do meu âmago"...
    Lindo!!!
    Abraços fraternos de paz e primaveris

    ResponderExcluir
  5. Essa é a corda bamba mais sorrateira que existe, tenho a certeza.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Cara, eu ia comentar esse último post mas vi a história da violeta azul abaixo. Que coisa fantástica!!!! Fiquei emocionado aqui. Vou divulgá-lo. Um abraço e parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  7. Meu querido amigo

    O que dizer deste desfilar de sentimentos...vou em silêncio que o poeta já disse tudo, escreveu com os dedos da alma.

    Deixo um beijinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  8. Valeu Mari...muito boas energias, muita saúde...em toda a sua vida
    Um abraço na alma...bjo

    ResponderExcluir
  9. Um lindo poema dentro de uma bela prosa.

    ..."meus versos saem do poema"... Saem mesmo.E tocam seus leitores. Parabéns!!!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Meu qeurido Élcio,
    É tão bom vir aqui e ler tanta coisa bonita, receber esta vibração tão gostosa... daquelas que a gente só sente quando chega na casa de vó depois de anos de ausência... bom demais!
    Beijos, flores e muitos sorrisos!

    ResponderExcluir
  11. Obrigado pela sua visita ao meu blog...e quero mais uma vez parabeniza-lo !
    bj no teu coração poetico.

    ResponderExcluir
  12. Simplesmente...Fabuloso!

    Os poetas fazem muita falta para "espicaçar" consciências, também.

    Beijo grande meu amigo.

    ResponderExcluir

Semeando