domingo, 11 de setembro de 2011

Um tiro...uma rosa...um jardim


 Um tiro...uma rosa...um jardim

Um tiro sem eira nem beira
Partiu, rompendo o silêncio
Alguém anonimamente
Fez soar o triste estampido
Logo, veio um grito de dor
Era o som, era a voz da morte
Anunciando a falta de amor
Sendo assim, como é possível
De que maneira explicar ao jardim
Esta imensurável irresponsabilidade
De um ser chamado humano
Nada mais resta a fazer
Diante a inesperada
E gratuita violência
As pétalas desfaleceram-se
Vertendo lágrimas e lamentos
Diante a presumida agonia
Morreu a rosa menina dos ventos!
Morreu a rosa menina dos sonhos!
Bradou aos sete cantos
O crisântemo estarrecido
Tanto que o riso em silêncio póstumo
Não mais ecoou no horizonte
Pobres pétalas mutiladas
Tornaram-se apenas mortalhas
Sobrevivente da tragédia, o caule
Que a tudo apavorado assistiu
Orou, pediu aos céus uma saída
Até que ela veio serena e tranqüila
Juntando-se as nossas lágrimas
É que o céu também chorou
Ao ver a rosa Juliana ensanguentada
Pois ferida mortalmente, não vingou
Deu adeus a vida de forma breve
No entanto, deixou para seus amigos
O perfume e o sorriso da sua alma
E o seu olhar de estrela d’alva
Então dálias, cravos, margaridas
Violetas, acácias e jasmins
Despediram-se em pranto
Lírios, begônias, hortênsias
Tulipas, girassóis e querubins
Abraçaram-se até o cair da noite
Já as estrelas sentidas, apagaram-se
E no breu do universo
Fizeram luto em homenagem à rosa
Até que o dia entristecido acordou
E junto dele um dedicado jardineiro
Que sem saber regava a esperança
Compartilhando afetos, o sol e a primavera
Semeando carinho, amor e compreensão
Bendita seja essa semente do amor
Que faz nascer, que faz brotar
Repetidamente o sentido da vida
Pois deveras grávido, o jardim concebeu
As mais belas flores, as mais lindas rosas
Que a saudade já colheu

Elcio Tuiribepi



O número de mortes por balas perdidas no Rio pode ter sido o triplo da estatística oficial...triste realidade


Um abraço na alma...bom domingo...boa semana para todos nós...

16 comentários:

  1. Infelizmente... vidas que se perdem... familias que ficam sem rumo...

    Bom domingo Élcio.

    beijooo.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Élcio! Saudades!

    Sim, triste realidade. Espero que este quadro mude algum dia. É o meu desejo e minha inquietude. Beijo

    ResponderExcluir
  3. Linda poesia e tão triste realidade.Até quando?
    abraços,chica

    ResponderExcluir
  4. Oi Élcio. Quantas vidas ceifadas à toa. Balas perdidas que sempre encontram um destinatário. O poema é lindo, a dor, intensa. Um abraço, Deia.

    ResponderExcluir
  5. É querido Élcio, a violência entrou no nosso dia a dia que são poucos que se senbilizam, e assim todo jardim vai sendo ceifado não dando a oportunidade das flores virarem frutos. Abçs.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Élcio
    A morte que anuncia a falta de amor... perfeito!!!
    Tenha uma linda semana de paz!!!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  7. Elcio
    ESte poema tão real soou pra mim como um ato de amor...
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  8. Caro amigo

    O mais triste de tudo,
    é não ver solução
    para frear a violência
    que tira vidas,
    alegrias,
    esperanças...

    Viver é sentir os sonhos
    com o coração.

    ResponderExcluir
  9. Eu acho linda a habilidade de transformar um pouco desse mar de tristeza em algo bonito, como isso que acabo de ler.

    Gostei muito.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Poeta, é indíscutivel sua "gentura"...
    O que me preocupa e o conformismo da sociedade em pleno século XXI,onde morrer por irresponsabilidade de muitos,seja aceitável,mas,fazer o quê? se reelegemos corruptos,mandamos palhaços e frutas para o congresso...Ficamos reféns,sujeitos a virar estatística...sem dó nem piedade...
    Você deveria enviar este poema,ao congresso!
    Um abraço de urso panda grgrgrgrgrgrgrgrgr
    beijos,
    Mari

    ResponderExcluir
  11. Oi Mari...acho que o congresso não iria se preocupar com isso não...rs...ele$ tem coisa$ mai$ inportante$ na agenda...$S$S
    Um abraço na alma
    Bjo

    ResponderExcluir
  12. Elcio,
    eu nem sei o que dizer. Eu tenho 54 anos, quando eu era criança, se alguém morresse violentamente os pais comentavam um com o outro em segredo. Era tão raro que criança não precisava saber. Atualmente ao abrir o jornal, as páginas de informação da web, ao ligar a TV, só ouvimos uma notícia. MORTE POR VIOLÊNCIA. É muito triste, saimos de casa e não sabemos se voltamos. Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Elcio
    Voce é ... especial.Seus comentarios, eu queria imprimir todos pra mamae ler. Ela adora suas poesias
    Minha irmã mora no Rio e quando vou ela tem que melevar pra tudo quanto é lugar pois não saio sozinha de jeito nenhum.
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  14. Meu querido amigo

    hoje passando para agradecer o carinho da visita e as palavras lindas.

    Um beijinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  15. Élcio, vc conseguiu fazer uma bela e triste poesia, apesar do tema ser a tristeza imensa que é perder uma florzinha como essa por irresponsabilidades que começam nas ruas e terminam no Congresso Nacional... ou será o contrário?
    Até quando?
    E ninguém é culpado? Ninguém é responsabilizado?
    Se cada cidadão afetado pela violência nas ruas processasse o governo pelo não cumprimento de uma de suas obrigações básicas que é a segurança pública, talvez os donos do poder começassem a agir como devem. Eles só entendem quando o bolso deles é afetado.
    Tava com saudades daqui.
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  16. Élcio,
    Parabéns,belíssimo poema,sensibilidade diante tema absurdamente revoltante.

    Eu sempre digo:O espinho não impede a beleza da rosa!Que singularidade uma bala perdida e com violência destroi uma rosa que não adornou,não coloriu a vida...

    ResponderExcluir

Semeando